Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

TAP: voos cancelados por causa da greve

Pilotos fazem greve de dez dias. (Atualização ao minuto)
1 de Maio de 2015 às 08:14
Greve dos pilotos da TAP apanhou desprevenidos muitos passageiros que pretendiam voar esta sexta-feira
Greve dos pilotos da TAP apanhou desprevenidos muitos passageiros que pretendiam voar esta sexta-feira FOTO: Miguel A. Lopes/Lusa

20h10:  A TAP cancelou 88 voos e operou 186 até às 18h30 deste último dia da greve dos pilotos da companhia, disse à agência Lusa o porta-voz da transportadora aérea portuguesa André Serpa.

"Este nível de operação permite atingir os cerca de 70% que tem sido um pouco o padrão de operação que a TAP tem conseguido assegurar", sublinhou o responsável.

O quadro da TAP lembrou que a greve ainda está em curso e termina às 23h59 deste domingo, pelo que a companhia está "focada e concentrada" em cuidar dos passageiros afetados, e um balanço final global e detalhado sobre a greve será feito somente nos próximos dias.

19h25: 
A TAP prometeu retomar, a partir de segunda-feira, os voos conforme o programa de ligações do dia, assegurando a normalização de "algumas situações resultantes da greve".

Em comunicado, a transportadora aérea portuguesa alega que, durante os dez dias de greve dos pilotos do grupo TAP, que termina este domingo, providenciou em média 70 por cento dos voos diários.

18h30: 
O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) disse que "em média", ao longo dos dez dias de greve dos pilotos da TAP e da Portugália, foram cancelados 50% dos voos "originalmente planeados".

"Em termos de balanço, o SPAC apurou que, em média, ao longo destes dez dias de greve, foram cancelados cerca de 50% de todos os voos originalmente planeados e aderiram à greve 85% dos pilotos associados do SPAC", vinca o sindicato em nota enviada esta tarde às redações.

13h12:
A TAP cancelou 64 voos e operou 159 voos até às 13h00 de hoje, disse à agência Lusa o porta-voz da companhia aérea portuguesa André Serpa. "Até às 13h00, do total dos voos programados foram realizados 159 voos e cancelados 64, isto faz uma percentagem de voos realizados de 71%, ligeiramente superior à que se verificou em outros dias de greve", adiantou à agência Lusa o porta-voz da TAP André Serpa. A mesma fonte lembrou que a média dos voos programados ronda os 300 voos por dia.


08h45:
A TAP mantém para hoje, décimo e último dia da greve dos pilotos, a tendência de operação dos últimos dias, em que foram cumpridos cerca de 70 por cento dos voos, disse à agência Lusa fonte da transportadora aérea. "Hoje, último dos dez dias de greve de alguns pilotos, a perspetiva para o total de operações é idêntica àquilo que tem sido verificado ao longo dos últimos dias. A TAP conta realizar cerca de 70% dos voos que tem programados para o dia de hoje e, portanto, manter a tendência que se tem verificado ao longo desta greve", adiantou à agência Lusa o porta-voz da TAP André Serpa.


10 de maio

19h45: 
A TAP cancelou 84 voos de um total de 281 programados até às 18h00, disse à agência Lusa a porta-voz da companhia aérea portuguesa Lúcia Cavaleiro. "O total de voos programados era de 281 voos, sendo destes 84 voos cancelados e 197 voos realizados pela TAP", vincou a responsável. 

E acrescentou: "Os números de hoje[sábado] estão em linha com os dias anteriores. A média de hoje para a operação realizada é de 70,1%, cerca de 70%, como tem vindo a ser a média"


14h58:
A TAP cancelou 76 voos e operou 145 voos até às 12h30 deste sábado, de um universo de 221 voos, disse à agência Lusa a porta-voz da companhia aérea portuguesa Lúcia Cavaleiro. "O sábado é um dia em que tradicionalmente há mais movimentos nos aeroportos, sendo que até às 12h30 em Lisboa, de um universo de 221 voos, a TAP cancelou 76 voos e operou 145 voos", esclareceu a mesma fonte da transportadora aérea nacional.


9 de maio


16h24:
 O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou esta sexta-feira que o objetivo da greve dos pilotos da TAP não é lutar contra a privatização da empresa mas sim colocar aqueles profissionais "como parte beneficiária da privatização".

Arménio Carlos deixou um apelo aos trabalhadores da TAP "para que se unam e defendam aquela empresa como uma empresa pública". "É importante para eles mas também para o desenvolvimento do país", acrescentou. Para Arménio Carlos, "qualquer via que leve à privatização de todo ou de parte do capital da TAP é um problema acrescido para a economia nacional e para o desenvolvimento do país".

"Esta greve do sindicato dos pilotos foi iniciada não contra a privatização mas para colocar os pilotos como parte beneficiária da privatização. Mas cada um assumirá as suas responsabilidades", referiu Arménio Carlos, em Vila Nova de Famalicão.

15h32: A TAP informou esta sexta-feira que no oitavo dia da greve dos pilotos, desde a meia-noite e até às 12:00, se realizaram mais de 70% dos voos previstos para aquele período, enquanto o sindicato diz não ter números atualizados.

A porta-voz da TAP Carina Correia disse esta sexta-feira à Lusa que, entre a meia-noite e as 12h00, foram realizados 156 voos e cancelados outros 55, o que quer dizer que, "durante a manhã, mais de 70% dos voos foram efetuados".

09h05: A TAP mantém para hoje, oitavo dia da greve dos pilotos, a tendência de operação dos últimos dias, em que  foram cumpridos cerca de 70 por cento dos voos, disse à agência Lusa fonte da transportadora aérea. "A esta hora da manhã, o que podemos dizer é que perspetivamos que tendência de realização de voos se mantenha equivalente ao dos dias anteriores", adiantou à agência Lusa Carina Correia, do gabinete de imprensa da TAP.


8 de maio


21h45: 
A transportadora avançou que esta quinta-feira até às 19h00 foram realizados 195 voos e cancelados 66.

16h26: A TAP garante que cerca de 85% dos voos previstos até às 13h00 desta quinta-feira foram realizados, mas o Sindicato dos Pilotos diz que, até às 15h00, apenas se concretizaram 62,6% das operações planeadas.

Em declarações à agência Lusa, uma fonte oficial da TAP afirmou que cerca de 85% dos voos previstos até às 13h00 desta quinta-feira, sétimo dia da greve dos pilotos, foram realizados, uma média superior aos dias anteriores, mas que a transportadora admite que recue para os 70% que têm vindo a registar-se.

"Ainda falta o resto da operação diária", disse Lúcia Cavaleiro, explicando que "no final da tarde é que começa a segunda onda [de voos] do dia e a diferença relativamente aos fluxos dos outros dias ainda pode levar a que a operação acabe por estabilizar nos 70% dos dias anteriores de greve". De acordo com a responsável, até as 13h00 foram realizados 189 dos 221 voos programados, tendo sido cancelados 32.

12h52:
O presidente executivo da TAP elogiou o profissionalismo dos trabalhadores em funções durante a greve e acredita que depois da paralisação os danos causados na credibilidade da empresa poderão ser contidos e será recuperada a confiança dos clientes. Numa carta dirigida aos trabalhadores, a que a Lusa teve acesso, Fernando Pinto reconhece "o enorme esforço e profissionalismo" demonstrados ao longo dos sete dias de greve.


08h55:
A TAP prevê realizar 70% dos cerca de 300 voos programados para esta quinta-feira, sétimo dia de greve dos pilotos, disse à agência Lusa uma fonte da transportadora aérea portuguesa. "O balanço é semelhante aos dias anteriores, ou seja, o rácio entre os voos realizados e cancelados permite manter a atividade da companhia na ordem percentual dos dias anteriores: cerca de 70% de voos", disse à agência Lusa a porta-voz da TAP, Lúcia Cavaleiro.


7 de maio

21h51:
O secretário-geral do PS, António Costa, reiterou esta quarta-feira que não vai permitir a privatização total da TAP e que o seu governo "tudo fará" para a impedir.

"Não permitiremos que a TAP tenha mais de 51% de capital privatizado. O meu governo tudo fará para impedir a privatização da TAP", afirmou o líder socialista em entrevista ao canal de televisão TVI quando questionado sobre a privatização da transportadora portuguesa.

21h20: O ministro da Economia anunciou esta quarta-feira que nos primeiros seis dias de greve dos pilotos da TAP realizaram-se 70% dos voos programados e foram transportadas 80% das pessoas com viagens marcadas para aqueles dias.

António Pires de Lima falava aos jornalistas no Ministério da Economia num ponto da situação da greve dos pilotos da TAP, que começou na sexta-feira e termina no domingo.

Segundo o ministro, em cinco dias de greve, a empresa teve um "prejuízo de 17 milhões de euros".

Pires de Lima estimou que, a manter-se a situação, o prejuízo final chegue aos 35 milhões de euros.

18h13: O presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira, voltou esta quarta-feira a pedir consenso na TAP, manifestando a sua preocupação com o impacto da greve dos pilotos em eventos na região como o Rali de Portugal.

"O Rally de Portugal, que se espera gerar 100 milhões de euros na economia local, tem equipas com voos marcados, sendo que algumas já tiveram que remarcar noutras companhias ou fazer outras opções de chegada a Portugal", alertou o responsável em comunicado divulgado esta quarta-feira.

Para Melchior Moreira "estes contratempos têm efeitos terríveis e a longo prazo na memória das pessoas", pelo que voltou a apelar "ao consenso" e à "proteção do bem comum".


16h24: O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, insistiu num apelo aos pilotos da TAP para que se demarquem da greve e mostrem que lhes interessa "defender a empresa e a economia nacional".

"Aproveito esta ocasião mais do que para alertar para os prejuízos que decorrem para a economia nacional e sobretudo para a empresa desta greve, para mais uma vez, procurar sensibilizar e apelar ao conjunto dos pilotos da TAP para que se demarquem desta iniciativa do sindicato e, numa altura em que novas sombras se juntam para futuro, mostrem que lhes interessa sobretudo defender a empresa e a economia nacional", afirmou Passos Coelho.

No debate quinzenal no parlamento, em resposta ao líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, o chefe de Governo argumentou que, mais do que o impacto conjuntural sobre o turismo e o comércio, a greve dos pilotos da transportadora aérea nacional tem um "impacto sobre a reputação da empresa, que pode demorar muito tempo até conseguir ser ultrapassado".

15h50: A concelhia do Porto do PS afirmou que a operação dos serviços mínimos durante a greve dos pilotos "é um insulto à região", acusando a administração da TAP de "virar as costas ao Porto e ao Norte".

"A administração da TAP tem vindo a desinvestir de forma acentuada no aeroporto do Porto, uma infraestrutura fundamental para o desenvolvimento de todo o país, servindo muito especialmente o Porto e as regiões do Norte e Centro", critica, em comunicado, o líder da concelhia do PS/Porto, Tiago Barbosa Ribeiro.

Para o socialista, "a administração da TAP voltou a demonstrar as suas opções" nesta greve de dez dias dos pilotos da TAP e da Portugália, já que "apenas menos de 2% da operação de serviços mínimos decidida pelo Tribunal Arbitral (seis dos 306 voos decretados) partiram ou chegaram ao aeroporto do Porto".

15h36: 
A Secretaria da Economia, Turismo e Cultura da Madeira considerou que a consagração dos serviços mínimos em termos de voos da TAP para a região, durante o período de greve, foi "manifestamente insuficiente".

A secretaria regional tutelada por Eduardo Jesus informou, em comunicado de imprensa, ter reiterado, esta manhã, a sua posição junto do Ministério da Economia, da Secretaria de Estado do Turismo, da administração da TAP e da Presidência do Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil, relativamente a uma greve que, nos primeiros seis dias, "já provocou danos irreversíveis na imagem e no bom nome da Madeira".

Desde o início da greve, a 1 de maio, já foram cancelados 43 voos no Aeroporto da Madeira, sendo que a TAP garante como serviços mínimos três voos por dia.


08h55: A TAP mantém para esta quarta-feira, sexto dia da greve dos pilotos, a tendência de operação dos últimos dias, em que  foram cumpridos cerca de 70 por cento dos voos, disse à agência Lusa fonte da transportadora aérea. "A previsão para hoje é manter, à semelhança do que tem sido conseguido nos últimos dias, o mesmo número de voos efetuados", adiantou à agência Lusa Carina Correia, do gabinete de imprensa da TAP.

6 de maio


23h37:
A TAP e a Portugália fizeram esta terça-feira, até às 19h00, 180 voos e cancelaram 66 devido à greve dos pilotos, disse à agência Lusa fonte da transportadora aérea.

"Até às 19h00 foram feitos 155 voos da TAP e 25 da Portugália, num total de 180 voos, valor que está dentro da média dos últimos dias ou ligeiramente superior", afirmou a mesma fonte acrescentando que foram assegurados 73% por cento dos voos previstos. De acordo com a mesma fonte, a greve dos pilotos está a ter maior adesão na Portugália.

16h39: Apenas seis dos 306 voos abrangidos pelos serviços mínimos para os dez dias de greve dos pilotos da TAP e Portugália partiram ou chegaram ao aeroporto do Porto, o que representa menos de 2% da operação decidida pelo Tribunal Arbitral. 

Entre os serviços mínimos partiram três voos do aeroporto Francisco Sá Carneiro com destino ao Funchal e a Luxemburgo e chegaram outros três com origem também no Funchal e Luxemburgo, constatou a Lusa da análise da lista publicada pela companhia aérea.

09h18: A TAP mantém esta terça-feira a tendência de operação dos últimos dias até às 09h00, em que foram cumpridos cerca de 70 por cento dos voos, disse à agência Lusa fonte da transportadora aérea, sem adiantar números novos.

"O que é possível adiantar a esta hora, é que, em termos de tendência de atividade da companhia, mantém-se em linha com o que aconteceu nos outros dias à mesma hora da manhã", afirmou a fonte contactada pela Lusa. A mesma fonte indicou que pelas 09h00 há muitos voos para sair, remetendo informação mais precisa para o final da manhã.

De acordo com a fonte da companhia, a situação está calma no Aeroporto de Lisboa, ao quinto dia de greve para contestar a privatização da empresa decidida pelo governo.

5 de maio

21h35:
O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou, esta segunda-feira que nas duas últimas semanas de abril, com a decisão da greve, a quota da TAP no aeroporto de Lisboa caiu para o mínimo de sempre.

"Temos números muito fiáveis que nos mostram que a confiança dos clientes na TAP se está a ressentir", afirmou o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, numa conferência no ministério da Economia, garantindo não se tratar de retórica.

"Nas duas últimas semanas de abril bastou que houvesse um anúncio da greve", decidida pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), "para que a quota de mercado da TAP no aeroporto de Lisboa (o mais representativo) tenha caído para o mais baixo nível de sempre, desde que há registos de quota de mercado", explicou o governante.


21h15:
 A transportadora aérea cabo-verdiana disponibilizou-se para transportar passageiros com bilhetes da TAP entre Cabo Verde e Portugal por 16.000 escudos (145,10 euros) durante o período de greve dos pilotos da empresa portuguesa.

19h45: 
O secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro, afirmou que o impacto financeiro dos três primeiros dias de greve dos pilotos, incluindo custos indiretos, é de 10,020 milhões de euros.

13h13:
 A TAP realizou até às 12h30 ligeiramente mais de 70% dos voos programados, num total de 148 realizados, contra 62 cancelados, no quarto dia de greve dos pilotos, disse à Lusa uma fonte da transportadora aérea portuguesa.

"Foram realizados 148 voos e 62 foram cancelados, o que é ligeiramente superior aos 70% de ontem", adiantou a porta-voz da TAP Carina Correia, sobre a greve de dez dias convocada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC).

Questionada sobre as críticas da Associação Empresarial de Portugal (AEP) de que o grupo TAP "optou por subalternizar o centro operacional que ainda tem no Porto, na tentativa de mitigar os efeitos da paralisação em Lisboa", Carina Correia disse que "não se trata disso" e explicou a situação. Por um lado, argumentou, o 'hub' da TAP é de facto em Lisboa, o que significa "mais soluções, mais voos para mais destinos e logo um escoamento mais fácil dos passageiros do que no Porto", por outro, "o Tribunal Arbitral decretou serviços mínimos que ficaram aquém das necessidades do Porto".

Carina Correia considera que "devia haver mais serviços mínimos no Porto", mas de qualquer forma adianta que a companhia aérea já está a resolver a situação, tendo já esta noite transportado passageiros por via terrestre do Porto para Lisboa, de forma a reencaminhá-los a partir de Lisboa.

08h55: A TAP prevê realizar 70% dos cerca de 300 voos programados para esta segunda-feira, quarto dia de greve dos pilotos, disse à agência Lusa uma fonte da transportadora aérea portuguesa.

"A mensagem que queremos passar no dia de hoje (nesta segunda-feira), quarto dia de greve dos pilotos, é que estamos a prever realizar 70% dos cerca de 300 voos programados, ou seja, manter aquilo que tem vindo a acontecer nos dias anteriores", adiantou à Lusa Carina Coelho, do gabinete de imprensa da TAP. Carina Coelho remeteu um novo balanço da paralisação para o final da manhã.

4 de maio

19:55:  
A TAP realizou, até às 19h00 deste domingo, 70% dos 272 voos programados, o que equivale a 189, tendo sido cancelados 83, a maioria dos quais da Portugália, revelou um porta-voz da empresa.

Segundo André Serpa Soares, "a TAP realizou 163 voos, 31 dos quais abrangidos pelos serviços mínimos, e cancelou 45, enquanto da PGA foram realizados 26 e cancelados 38", o que confirma a tendência de uma maior adesão à greve por parte dos pilotos da Portugália.

A mesma fonte sublinhou que "se realizaram 70% dos voos previstos até às 19h00", sendo o total de voos do dia "cerca de 300".

19h35: 
A greve dos pilotos da TAP levou ao cancelamento de 50% dos voos planeados, até às 18h00, e a estimativa é que se atinja, este domingo, 70 a 80%, afirmou o diretor do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC).

"A adesão está a evoluir no sentido esperado e, na PGA [Portugália], os voos cancelados superam os 90%", afirmou Miguel Sêrro, diretor do SPAC.


19h05:
A Associação Empresarial de Portugal (AEP) lamentou que estejam a ser as regiões Norte e Centro as mais prejudicadas pela greve convocada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) para a TAP.

"Trata-se de duas regiões que têm no aeroporto Francisco Sá Carneiro uma importante infraestrutura de apoio à atividade exportadora das suas empresas, porta de entrada de relevantes fluxos turísticos e fator de mobilidade para milhares de portugueses daqui naturais ou que aqui vivem", pode ler-se no comunicado assinado pelo presidente da AEP, Paulo Nunes de Almeida, que apela ao fim da greve na companhia aérea. 

13h15: A TAP cancelou 52 dos 191 voos programados até às 13h00 no terceiro dia de greve dos pilotos, realizando cerca de 72% da operação, mantendo-se uma adesão superior na Portugália (PGA).

Segundo André Serpa Soares, porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa, foram realizados 139 voos, número que abrange os serviços mínimos, dos quais 125 da companhia TAP e 14 da PGA. A companhia PGA, que voa sobretudo a partir do aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, cancelou 22 voos (dos 36 programados), enquanto a TAP cancelou este domingo 30 (de 155 programados), adiantou.

No balanço realizado às 13h00, a empresa voltou a transmitir apenas os números da operação, recusando-se a entrar "na guerra dos números" sobre os pilotos que aderiram à greve de dez dias, convocada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC).

12h00:
A Lusa constatou que não existia fila para o balcão do serviço ao cliente, a que os passageiros com voos cancelados recorrem para encontrar soluções alternativas para seguir viagem. 

08h59:
 A TAP informou este domingo que às primeiras horas do terceiro dia de greve dos pilotos estão a ser realizados cerca de 70 por cento dos voos programados, dados que incluem os voos dos serviços mínimos.

O porta-voz da transportadora aérea TAP André Serpa Soares afirmou à agência Lusa que se "está a verificar a tendência dos dois primeiros dias de greve ao se realizarem 70 % dos voos, incluindo os serviços mínimos, estando a ser cancelados cerca de 30 por cento dos voos".

A adesão à greve de dez dias dos pilotos da TAP e da Portugália (PGA) está a ser mais elevada na Portugália, o que afeta o aeroporto de Sá Carneiro, no Porto.

3 de maio

22h45: O dirigente do Sindicado dos Pilotos da Aviação Civil, Hélder Santinhos, lamentou as declarações de sexta-feira do ministro da Economia, quando afirmou que o Governo estaria fechado a negociações sobre a greve de dez dias na TAP.

"Se o ministro diz que as negociações estão fechadas, o que podemos fazer?", questionou Hélder Santinhos sobre a atitude de Pires de Lima no final de tarde de sexta-feira.

"Parece-nos muito estranho como é que esta administração produz resultados negativos constantemente e não acontece nada", acrescentou em declarações à agência Lusa.

20h15: 
A TAP cancelou 79 dos 254 voos programados até às 17h30 deste sábado, segundo dia da greve dos pilotos, realizando cerca de 70% da operação e repetindo assim os valores de sexta-feira, divulgou a empresa.

Segundo a porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa Isabel Palma, foram realizados 175 voos, número que abrange os serviços mínimos, mas que não conta com o regresso obrigatório à base dos aviões, como aconteceu no primeiro dia da paralisação. 

14h51:
O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), que convocou dez dias de greve, considerou que a adesão à greve na TAP e na Portugália até às 13h30 é superior a 70%, valor que contrasta com o da empresa. 

Em comunicado enviado à agência Lusa, o SPAC adiantou que "a análise dos números, feita voo a voo pela direção, revelou, até às 13h30, que, excluídos os voos de serviços mínimos, dos voos planeados à saída de Lisboa e do Porto foram cancelados 14, efetuados 42 e destes apenas 29% com a tripulação inicialmente definida".

"Ou seja, a adesão [dos pilotos] à greve é superior a 70%", conclui a direção do SPAC, realçando que "a adesão é ainda mais esmagadora na Portugália do que na TAP".

13h15: A TAP cancelou 40 dos 163 voos programados até às 12h30 do segundo dia da greve dos pilotos, realizando cerca de 75% da operação, um valor "claramente superior às melhores previsões".

Segundo Lúcia Cavaleiro, porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa, foram realizados 123 voos, número que abrange os serviços mínimos, mas que hoje não conta com o regresso obrigatório à base dos aviões, que aconteceu no primeiro dia de paralisação.

"Há mais voos que se estão a realizar hoje, porque já não existe o efeito do regresso. O número de voos realizados é claramente superior às melhores previsões para o dia de hoje", declarou a responsável.

08h40: A TAP informou este sábado que às primeiras horas do segundo dia de greve dos pilotos se mantém a tendência para a realização de voos, com mais cancelamentos por parte da Portugália, os quais afetam o aeroporto do Porto.

"Hoje temos um panorama semelhante ao dia de ontem [sexta-feira] com as tripulações a se apresentarem ao serviço para a realização dos voos nos vários aeroportos", afirmou à Lusa a porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa (TAP) Carina Correia.

O aeroporto do Porto é o mais afetado por cancelamentos, sobretudo voos operados pela Portugália, acrescentou a mesma fonte.


2 de maio
Dos voos previstos até às 17h00 de sexta-feira, o primeiro de dez dias de uma greve convocada pelo Sindicado dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), 69,75% realizaram-se, revelou a porta-voz da TAP, Carina Correia.

De acordo com a mesma fonte, "nos voos operados em equipamento TAP, 155 foram realizados e 31 cancelados, enquanto nos voos em equipamento Portugália se realizaram 11 e se cancelaram 41".

Em termos percentuais, na TAP registaram-se 83,3% dos voos e, na Portugália, 21,1%, o que resulta numa maior adesão à greve na Portugália.

23h30:A transportadora aérea portuguesa realizou apenas 36% dos voos programados, revelou o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil. Excluindo os voos dos serviços mínimos, a empresa efetuou 36% dos voos programados.

21h10: O dirigente do Sindicado dos Pilotos da Aviação Civil, Hélder Santinhos desvalorizou a baixa adesão à greve, que disse não ser contra a privatização, já que importa sobretudo ver a TAP "bem gerida".Para o dirigente, a adesão à greve só não regista números mais elevados porque alguns pilotos "colocam interesses individuais à frente de interesses coletivos.

20h10: "Os pilotos que vieram hoje trabalhar não fizeram nenhum favor ao Governo", disse o ministro da Economia, acrescentando que "estão genuinamente preocupados com o futuro da TAP". Pires de Lima falava aos jornalistas no final de uma reunião com o presidente da TAP, Fernando Pinto, e onde esteve presente também o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Silva Monteiro.


19h00: Dos voos previstos até às 17h00 desta sexta-feira, 69,75% realizaram-se, revelou a porta-voz da TAP, Carina Correia.

De acordo com a mesma fonte, "nos voos operados em equipamento TAP, 155 foram realizados e 31 cancelados, enquanto nos voos em equipamento Portugália se realizaram 11 e se cancelaram 41". 

17h30: O presidente do CDS-PP, Paulo Portas, pediu hoje para que "tirem a ideologia da economia" e agradeceu aos pilotos "que estão a fazer a TAP voar" no primeiro de 10 dias de greve, chamando-lhes "salva-empresas" em vez de "fura-greves".

17h00: O ministro da Economia, António Pires de Lima, o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Silva Monteiro, e o presidente da TAP, Fernando Pinto, vão reunir-se esta sexta-feira às 19h30.

Uma conferência de imprensa ficou marcada para o final da reunião por volta das 20h00.

16h00: A coordenadora do Bloco de Esquerda Catarina Martins considerou hoje "fundamental" parar a privatização da TAP.

"Este Governo tem uma pressa louca de privatizar", disse, acrescentando que "não lhes basta" querer privatizar a transportadora aérea portuguesa, agora também pretendem fazer o mesmo ao Oceanário".

13H42: A porta-voz da TAP, Carina Correia, afirmou hoje que muitos pilotos estão a trabalhar no primeiro dia de greve, recusando adiantar números da adesão ao protesto, para não "entrar numa guerra de números".

Recusando fornecer números da adesão à greve convocada pelo Sindicado dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), a porta-voz da TAP admitiu que "há muitos pilotos a apresentar-se ao serviço", o que permitiu a realização de cerca de 75% dos voos programados até às 12h00.

"Há uma percentagem significativa de tripulantes técnicos que vieram trabalhar hoje", declarou aos jornalistas num balanço sobre o primeiro de dez dias de greve.

13h22: Segundo Carina Correia, porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa, foram realizados 118 voos, número que abrange os serviços mínimos e os regressos a Portugal - também incluídos nos serviços mínimos.

"Queremos agradecer aos pilotos que hoje vieram trabalhar", declarou, num balanço da greve efetuado no aeroporto de Lisboa às 13h00.

13h04: O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil(SPAC) disse que a adesão à greve na TAP e na Portugália está a ser "bastante interessante", explicando que os voos estão ser comandados sobretudo pelas chefias.

Fonte da direção do SPAC disse à agência Lusa que os primeiros números de adesão à paralisação são "bastante interessantes", tendo em conta que "é o primeiro dia", e acrescentando que nos próximos dias a greve terá mais perturbações.

"Quem está a fazer os voos são os pilotos ligados à direção da operação de voo, que têm tempo limite para voar, o qual será atingido nos próximos dias", especificou a mesma fonte.

11h40: Os passageiros que hoje, no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, são confrontados com o cancelamento dos seus voos devido à greve dos pilotos da TAP, criticam a empresa por "falta de informação" e "má condução das situações".

Às 10h30 no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, o painel de partidas indicava quatro voos cancelados com destino a Barcelona, Roma, Londres e Lisboa. No total, foram cancelados nove voos desde o início da manhã.

Ao mesmo tempo a fila para o balcão de atendimento da TAP contava com cerca de meia centena de viajantes insatisfeitos por terem de ficar em terra.

10h30: Segundo Carina Correia, porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa, foram realizados 52 voos, número que abrange os serviços mínimos e os regressos a Portugal - também incluídos nos serviços mínimos, sem especificar o número de ligações cumpridas fora deste contexto.

"Faremos essa contagem mais à frente. Felizmente para os passageiros há pilotos a apresentar-se ao serviço", disse à Lusa a porta-voz da companhia, que fará um novo balanço da greve pelas 13h00.

10h41: Ana Gomes foi um dos passageiros que hoje ficou em terra devido à greve convocada pelo Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), vendo-se obrigada a adiar os planos de um fim de semana prolongado, em Bruxelas.

09h04: A greve dos pilotos da TAP apanhou desprevenidos muitos passageiros que pretendiam voar esta sexta-feira de Madrid para Lisboa ou Porto, originando uma fila de 70 pessoas rumo ao único balcão da companhia, para obter explicações ou alternativas.

Greve de dez dias iniciada à meia-noite
Segundo a porta-voz da TAP, os passageiros dos 21 voos cancelados - os passageiros de seis deles tinham sido contactados antecipadamente - estão a ser acompanhados pelos serviços da TAP que tentam encontrar um solução, que pode passar por mudar de voo, a data ou receber um 'voucher' com o valor pago, com duração de um ano.

Os passageiros cujos voos não foram cancelados antecipadamente fazem o seu 'check in' normalmente e seguem para as portas de embarque e só nessa altura têm a confirmação se o voo se vai realizar ou não.

TAP porta-voz da Transportadora Aérea Portuguesa greve voos cancelamento
Ver comentários