Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

"Há um agravamento do uso da heroína"

João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências, afirmou que não há um crescimento significativo de novos consumidores em Portugal.
2 de Abril de 2014 às 09:56
João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências
João Goulão, diretor do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências FOTO: Pedro Catarino

Correio da Manhã – Há hoje mais consumidores de drogas?
João Goulão – Não temos um crescimento significativo de novos consumidores. Há, sim, um agravamento do uso da heroína. Esta droga foi o inimigo público n.º 1 em Portugal durante algumas décadas.

– A crise é responsável por este aumento?
– O contexto de crise não está isento de responsabilidades.

– Como foi possível reduzir o número de dependentes de heroína no passado?
– Através da discriminação positiva. Com a criação de empregos foi possível encontrar novas formas de vida para a população toxicodependente em recuperação. Mas, neste momento, estas pessoas estão na primeira linha da fragilidade social à medida que o desemprego sobe.

– São pessoas em risco?
– Possuem dificuldade em lidar com a frustração e parece-lhes uma tentação regressarem aos consumos de droga.

Que opções políticas devem ser tomadas neste contexto?
– No contexto atual é difícil adotar políticas de emprego de discriminação positiva. Quando a população, em geral, está desempregada, poderão surgir afirmações do tipo: ‘tenho que me meter na droga para arranjar emprego’. Gostava muito de ter uma receita, mas não tenho.

– Qual é a faixa etária das pessoas atingidas por recaídas?
– São pessoas com 40 e 50 anos.

– É um problema de centenas ou milhares de casos?
– Estamos a falar de centenas de casos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)