Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto

Incapacitada fica sem vencimento

Sofre de várias patologias, mas foi considerada apta para trabalhar.
Manuel Jorge Bento 16 de Janeiro de 2017 às 01:45
A carregar o vídeo ...
Sofre de várias patologias, mas foi considerada apta para trabalhar.
Ana Cristina Campos sofre de depressão persistente, transtorno cognitivo, doença osteoarticular degenerativa grave e hérnias discais. Os médicos que a acompanham atestam incapacidade permanente.

A administrativa do centro de saúde do Olival, em Vila Nova de Gaia, recebeu, em julho, uma carta da Administração Regional de Saúde do Norte (ARS/N) que refere estar "apta para exercício de funções". Não conseguiu cumprir os 30 dias de trabalho a que a lei obriga. Ficou com licença sem vencimento.

"Tenho casa para pagar e três filhos para dar de comer. Devo dinheiro a toda a gente. E não me estão a tirar a mim, estão a tirar aos meus filhos. É isso que me dói", diz ao CM, entre lágrimas.

"Basta olhar para ela. Não consegue andar, gagueja e utiliza fraldas. Não sei como querem que vá trabalhar", afirma a mãe, Maria Campos, indignada.

O psiquiatra que acompanha a funcionária, de 46 anos, atesta que Ana Cristina está "de forma absoluta, definitiva e permanente incapaz de exercer qualquer função profissional, pelo que deve ser considerada com incapacidade permanente".

A neurologista considera-a "totalmente incapacitada para atividade profissional". No entanto, foram-lhe atribuídas, em junho, tarefas de ‘back-office’ e atendimento ao público.

A Caixa Geral de Aposentações indica que três médicos e duas juntas médicas "concluíram que não existia incapacidade absoluta e permanente para o exercício de funções". Ao CM, a ARS/N indica apenas que o caso está "em apreciação".
incapacitada vencimento vila nova de gaia doente saúde patologias trabalho emprego Ana Cristina Campos
Ver comentários