Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Israel suspende cooperação com UNESCO

Organização nega o laço histórico milenar entre judeus e Jerusalém.
14 de Outubro de 2016 às 11:21
Israel, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, UNESCO, Irina Bokova, Naftali Bennett, Egito, Líbano e Argélia, Palestina, Jerusalém Oriental, Jerusalém, mesquita de Al-Aqsa, Monte do Templo, Muro das Lamentações, China, Irina Bokova, Muralha da China, Egito, Benjamin Netanyahu, Cidade Antiga de Jerusalém, política, religião, organizações internacionais
Israel, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, UNESCO, Irina Bokova, Naftali Bennett, Egito, Líbano e Argélia, Palestina, Jerusalém Oriental, Jerusalém, mesquita de Al-Aqsa, Monte do Templo, Muro das Lamentações, China, Irina Bokova, Muralha da China, Egito, Benjamin Netanyahu, Cidade Antiga de Jerusalém, política, religião, organizações internacionais FOTO: Reuters
Israel anunciou esta sexta-feira a suspensão da cooperação com a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), na sequência da aprovação de uma resolução que nega o laço histórico milenar entre judeus e Jerusalém.

Numa carta dirigida à diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova, e publicada na rede social Twitter, o ministro da Educação israelita, Naftali Bennett, acusa a organização de dar "um apoio imediato ao terrorismo islâmico".

Bennett anuncia a suspensão pela comissão israelita da UNESCO de "todas as atividades profissionais com a organização internacional".

A resolução proposta por países árabes, incluindo o Egito, Líbano e Argélia, foi adotada por um comité e será submetida na próxima terça-feira ao conselho executivo da UNESCO, com sede em Paris.

A proposta refere-se à "Palestina ocupada" e pretende "salvaguardar a herança cultural palestiniana e o caráter distintivo de Jerusalém Oriental", de acordo com o texto, descrito pela agência de notícias France Presse (AFP). Foi aprovada com 24 votos favoráveis, seis contra e 26 abstenções, além de duas ausências.

O texto refere-se a Israel como um "poder ocupante".

O estatuto de Jerusalém é o tema mais difícil no conflito israelo-palestiniano, desde a anexação de Jerusalém Oriental, por Israel, numa ação que não foi reconhecida pela comunidade internacional.

Os palestinianos veem esta zona como a capital do seu futuro Estado.

O voto de hoje surge seis meses depois de a organização ter adotado uma resolução sobre a mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, que não mencionava o nome judeu do local, Monte do Templo.

"Dizer que Israel não tem ligação ao Monte do Templo e ao Muro das Lamentações é como dizer que a China não tem ligação à Muralha da China ou que o Egito não tem ligação às pirâmides", afirmou na quinta-feira o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Também o parlamento israelita condenou a posição da UNESCO.

Uma fonte diplomática palestiniana referiu que as novas resoluções referem a "importância da Cidade Antiga de Jerusalém para as três religiões monoteístas".

O Monte do Templo é um lugar sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)