Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

Julgamento de grupo internacional de extorsão limitado a sete de 55 acusados

Apenas sete arguidos compareceram à audiência. Restantes nem sequer justificaram a ausência.
1 de Abril de 2019 às 12:58
Tribunal
Tribunal FOTO: Getty Images
O julgamento de um grupo internacional acusado por 250 extorsões, que se iniciou esta segunda-feira no Porto, ficou limitado a sete dos 55 acusados, sendo separados os processos dos restantes, que não compareceram à audiência nem justificaram a ausência.

Dos sete arguidos que restaram, três poderão ver também os seus processos separados, caso se comprove que a sua notificação foi bem feita e que foi ignorada.

No caso dos restantes quatro arguidos, três em prisão preventiva e a mulher de um deles, que se encontra em liberdade, todos anunciaram que nada dirão ao tribunal sobre os crimes por que são acusados.

O grupo é acusado de envolvimento em extorsões, num esquema que começava por propostas para afiar facas e ferramentas e evoluía para ameaças de morte.

"O valor que se propunham extorquir dependia muito das situações. Quanto mais as pessoas se intimidavam, mais eles exageravam", disse à Lusa uma fonte ligada à investigação.

Os casos imputados a este grupo de arguidos ocorreram de 2002 a 2013 e foram reunidos num só processo-crime, sob tutela do Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto (DIAP), a partir de 246 inquéritos anteriormente dispersos por comarcas de todo o país.

Estão acusadas 55 pessoas, três das quais estão em prisão preventiva e a maioria dos restantes em parte incerta, e com mandado de captura internacional pendente.

Os alvos do grupo eram empresas, públicas e privadas, ligadas à agroindústria, metalurgias, pichelarias, talhos, pastelarias, tipografias, consultórios de dentistas e hospitais.

Uma das situações mais gravosas, tendo em conta o valor obtido, aconteceu em novembro de 2009 na Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz, no distrito de Évora, onde conseguiram extorquir 23.541 euros a um responsável daquela firma do universo empresarial de José Roquette.

"Tens filhos e sabes como é", ameaçaram, repetidamente, o homem até conseguirem extorquir-lhe a quantia exigida.

Outro caso ocorreu no hospital de Valongo, numa altura em que a unidade ainda não estava integrada no Centro Hospitalar de São João, onde o Conselho de Administração se viu obrigado a pagar para fazer cessar ameaças de agressão "à facada" a uma responsável hospitalar.

Para este processo estão indicadas mais de quinhentas testemunhas e o Ministério Público pediu que a maioria fosse ouvida por videoconferência, "face ao número de ofendidos e testemunhas residentes fora da área do tribunal de julgamento e ainda aos fundados receios que poderão advir do depoimento na presença [na sala de audiências] de elementos da referida organização" criminosa.

Do pedido excluem-se apenas os polícias chamados a depor: vários agentes da PSP e militares da GNR, bem como pelo menos um sargento da Guarda Civil espanhola.

O julgamento continua na tarde desta segunda-feira.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)