Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

Malaui preocupado com fluxo de refugiados moçambicanos

Uma pequena aldeia foi invadida por uma vaga de 11.000 refugiados.
Lusa 5 de Abril de 2016 às 19:25
Malaui preocupado com afluxo de refugiados moçambicanos
Malaui preocupado com afluxo de refugiados moçambicanos FOTO: Getty Images

A ministra do Interior do Malaui manifestou preocupação com o fluxo significativo de refugiados moçambicanos registado numa pequena aldeia do distrito de Mwanza, a cerca de 100 quilómetros a sul da capital Lilongwe.

Numa conferência de imprensa, realizada na segunda-feira, Jean Kalirani defendeu que a situação está a tornar-se insustentável e que é necessária uma recolocação rápida num campo de refugiados.

Segundo a ministra, a pequena aldeia de 120 habitantes foi invadida por uma vaga de 11.000 refugiados do país vizinho Moçambique, que ocuparam todos os espaços livres e abateram indiscriminadamente árvores.

"A situação é patética. Estão a deitar abaixo todas as árvores, até árvores de fruto, para construir casas em cada espaço livre. Os chefes locais deram-lhes um pedaço de terra, que está cheio", disse a responsável.

Jean Kalirani indicou igualmente que as estradas e as pontes da aldeia estão em mau estado devido aos veículos pesados que transportam bens de primeira necessidade para os refugiados. A ministra salientou que o facto do governo de Moçambique, país que atravessa uma crise política e militar, não declarar o estado de guerra está a dificultar o acesso dos refugiados à assistência fornecida por doadores internacionais.

Na semana passada, funcionários do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) manifestaram preocupação por soldados das forças governamentais estarem a impedir pessoas de fugir dos confrontos entre as forças do governo liderado pela Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique) e as forças da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), principal partido da oposição.

O clima de tensão entre o partido no poder e a oposição tem-se agravado nos últimos meses em Moçambique, com confrontos entre as forças de defesa e segurança e o braço armado da Renamo e acusações mútuas de ataques armados, emboscadas, raptos e assassínios.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, tem reiterado a sua disponibilidade para o diálogo com o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, mas este tem condicionado as negociações a uma mediação internacional da crise e à exigência de governar nas seis províncias onde reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.

Malaui Jean Kalirani Moçambique refugiados
Ver comentários