Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
7

Morreu Mário Cesariny de Vasconcelos

O poeta e pintor Mário Cesariny de Vasconcelos faleceu na madrugada deste domingo em sua casa, em Lisboa, por volta das 05h30, revelou a governanta do escritor. O artista, que contava 83 anos, encontrava-se doente há já vários anos com um cancro, tendo o seu estado de saúde piorado “drasticamente” nos últimos dias, informou o seu editor, Manuel Rosa.
26 de Novembro de 2006 às 12:06
O corpo de Mário Cesariny encontra-se em câmara ardente no Palácio Galveias, em Lisboa, de onde o funeral sairá amanhã (segunda-feira), às 14h00, para o cemitério dos Prazeres.
Nascido a 9 de Agosto de 1923 em Lisboa, Mário Cesariny estudou na Escola de Artes Decorativas António Arroio e estudou música com o compositor Fernando Lopes Graça, sendo que a sua veia artística destacou-se também no domínio da escrita, onde a sua obra teve maior divulgação.
Mário Cesariny era considerado o principal representante do Surrealismo português. Além de poeta, romancista e ensaísta, Mário Cesariny dedicava-se também às artes plásticas, em especial à pintura.
Segundo o seu editor, da Assirio & Alvim, o escritor "ocupa um lugar central na poesia portuguesa do século XX, mas foi mais que um poeta". Manuel Rosa recordou ainda Mário Cesariny como pintor, salientando a importância do seu trabalho nas artes plásticas, pelo qual ganhou o Grande Prémio de Pintura da EDP há oito anos.
REACÇÕES
“Um dos nomes cimeiros da cultura portuguesa do século XX”, Cavaco Silva, Presidente da República
“Um artista muito completo e marcante da arte do século XX”, Isabel Pires de Lima, ministra da Cultura
“Está, indiscutivelmente, entre os maiores poetas de sempre”, Manuel Alegre, poeta
“Um dos maiores portugueses de sempre”, Baptista-Bastos, escritor
LISBOA VAI DAR NOME A EQUIPAMENTO CULTURAL
O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carmona Rodrigues, manifestou este domingo pesar pela morte do poeta e pintor Mário Cesariny e garantiu que a autarquia vai dar o seu nome a um equipamento cultural “relevante” da capital portuguesa.
Carmona adiantou ainda que “Lisboa perdeu um dos seu grande cultores” e que a cidade deve muito a um dos mais inspirados artistas surrealistas português.
FAMALICÃO RECEBE ESPÓLIO DO ARTISTA
O espólio de Mário Cesariny foi doado a uma fundação de Famalicão, onde a câmara prepara a construção de um Centro de Estudos do Surrealismo (CES).
O presidente da autarquia, Armindo Costa, revelou que o poeta não tinha raízes em Famalicão , mas decidiu-lhe confiar-lhe o seu espólio porque “viu que havia na cidade vontade e garantia de que seria preservado e dinamizado”. O CES vai ser construído de raiz entre o parque urbano e o centro da cidade.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)