Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
1

MP pede pena efetiva para ladrão que roubou 14 euros

Procurador diz que o arguido não mostra sinais de querer deixar o crime.
14 de Outubro de 2016 às 18:32
Carteira
Carteira
O Ministério Público (MP) pediu esta sexta-feira pena de prisão efetiva para um homem de 30 anos acusado de roubar entre 80 cêntimos a 10 euros, num total de cerca de 14 euros, a várias pessoas, no Porto.

"As declarações prestadas pelo arguido não me convenceram, além de que já lhe foram dadas várias oportunidades para deixar o mundo do crime", disse a procuradora durante as alegações finais, no Tribunal São João Novo, no Porto.

O suspeito, que já cumpriu pena de prisão pela prática dos mesmos crimes, confessou que furtava para comprar droga e pediu mais de três vezes ao coletivo de juízes para o ajudar a "largar o vício".

"Não peço uma oportunidade, mas sim uma ajuda, eu preciso mesmo de ajuda", afirmou.

Em maio deste ano, o arguido roubou, durante uma madrugada, várias pessoas, nomeadamente jovens, junto à Estação de São Bento, Palácio de Cristal e Cordoaria, no Porto.

Sem nunca usar violência, o alegado assaltante intimidava as pessoas dizendo-lhes que já havia estado preso por homicídio, algo que é mentira, para as obrigar a entregar o dinheiro que, na altura, tinham com elas, sem lhes retirar mais nada.

Além de pedir ajudar para deixar a droga, o arguido confidenciou ao juiz presidente que tem o sonho de ser pai e que a namorada já tem mais de 30 anos, estando na altura de engravidar.

Mostrando-se arrependido, o detido comentou que tentou trabalhar na cadeia, onde está em prisão preventiva, mas disseram-lhe que já não há vagas, assim como para estudar.

As vítimas contaram que ele nunca as agrediu, apenas lhe falou com um tom agressivo, notando-se que estava "alterado e nervoso", e pediu-lhes o dinheiro que tinham no bolso.

O advogado de defesa salientou que, se calhar, juridicamente o arguido merecia quatro a cinco anos de prisão, mas já lá esteve e quando voltou à liberdade continuou na criminalidade.

Por esse motivo, a defesa defendeu uma pena suspensa sujeita a internamento voluntário porque nas cadeias existe consumo de droga, logo como é que lá se recupera, questionou.
Ministério Público Tribunal São João Novo arguido ladrão 14 euros crime acusação ministéro público
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)