Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
5

Passos não quantifica impacto da insolvência do GES

Primeiro-ministro diz que não é possível saber o impacto económico da insolvência do Grupo Espírito Santo.
28 de Outubro de 2014 às 15:55
Primeiro-ministro conversa com uma criança nos Açores
Primeiro-ministro conversa com uma criança nos Açores FOTO: Tiago Petinga/LUSA

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou esta terça-feira que o Governo não sabe quantificar o impacto da insolvência do Grupo Espírito Santo (GES) na economia portuguesa, mas acrescentou que "bom não é".

O primeiro-ministro fez esta afirmação a propósito da primeira missão da 'troika' - Banco Central Europeu, Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional - em Portugal após a conclusão do programa de resgate, que referiu não ser para nenhuma "avaliação", mas sim para "uma monitorização" da situação económica e financeira do país por parte dos seus credores.

"A situação de insolvência em que caiu o Grupo Espírito Santo, e o impacto que isso terá, com certeza, em termos microeconómicos, seria tudo menos desejado por alguém em Portugal, e com certeza que isso tem consequências negativas, que nós não sabemos quantificar. É muito difícil ter uma perspetiva precisa de qual será o impacto que isso vai ter na nossa economia, mas bom não é", declarou Passos Coelho aos jornalistas, na Madalena do Pico, nos Açores, onde se encontra em visita oficial.

Pedro Passos Coelho Grupo Espírito Santo quantifica insolvência Grupo Espírito Santo GES
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)