Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto

Organização do parque de Natal de Algés admite que visitantes foram induzidos em erro por terceiros

Entidade reconhece que nem tudo correu bem no dia da abertura.
Lusa 3 de Dezembro de 2019 às 17:16
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
Desilusão ou fraude: capital do Natal em Algés deixa visitantes revoltados
A organização do parque de Natal em Algés, Oeiras, admitiu esta terça-feira que alguns turistas espanhóis possam ter sido induzidos em erro pela promoção do evento feita por agências e blogues, reconhecendo que nem tudo correu bem no dia da abertura.

Em declarações à agência Lusa, Rui Madureira explicou que a organização começou a reparar em críticas que surgiram nas redes sociais no sábado à noite, que provocaram "surpresa", e que depois de analisado o conteúdo foi verificado que "várias agências de viagens, sites e blogues em Espanha" divulgaram informações que não correspondiam à realidade.

"Pura e simplesmente tinham apanhado as informações que estavam disponíveis nos meios de comunicação social em Portugal, e com traduções livres induziram as pessoas em erro", disse Rui Madureira, adiantando que estas entidades criaram uma imagem a que a organização é "alheia, numa perspetiva falaciosa do projeto".

De acordo com o responsável, as entidades em questão já foram contactadas, através do gabinete jurídico e algumas já começaram a retirar a informação inicilamente divulgada.

Rui Madureira indicou ainda que depois das explicações portuguesas às entidades espanholas que tinham apresnetado queixa, algumas já retiraram os processos e pediram desculpa, depois de perceberem que a responsabilidade pelas informações veiculadas não era da organização.

Tendo em conta que no sábado as condições climatéricas "foram muito adversas, com muita chuva", a experiência dos visitantes, de acordo com Rui Madureira, sofreu "alguns constrangimentos".

Por essa razão, a organização decidiu "convidar as pessoas que estiveram no sábado, e que o comprovem, para voltarem ao recinto até 12 janeiro", sem custos.

Em relação às renas, que também estão a ser alvo de críticas por estarem no recinto em determinadas condições, Rui Madureira explicou que os animais "estão devidamente licenciados", e que pertencem à associação Burro do Magoito, "extremamente idónea e fidedigna na gestão de animais já com vários anos de existência" e que está "lado a lado com a proteção animal".

"As renas não têm qualquer tipo de função, são meramente contemplativas, fazem parte do imaginário das crianças, que associam o Natal às renas", explicou, adiantando que os animais "não possuem hastes dado que caem no inverno e crescem na primavera".

Em relação à fotografia em que aparece uma rena deitada no chão, Rui Madureira esclarece que "não é por estar deitado que um animal é maltratado", salientando que os animais por vezes deitam-se como os cães ou os gatos domésticos.

"Todas as autoridades oficiais já aqui estiveram para verificar a questão do licenciamento dos animais", disse, garantindo existirem "todos os requisitos legais necessários para ter os animais com o projeto".

Outra das críticas apontadas ao espaço prende-se com a promessa de neve. Rui Madureira avança que esta existe num espaço interior de cerca de 1.300 metros quadrados, nomeadamente o Palácio dos Guardiões, onde há 50 toneladas de blocos de gelo provenientes da Finlândia.

"Trata-se de uma experiência sensorial com neve e gelo. A neve existe em ambiente 'indoor'. Não neva no recinto todo, não há histórico de nevar em Oeiras e milagres não conseguimos fazer", afirmou.

A Câmara de Oeiras, no distrito de Lisboa, comprometeu-se na segunda-feira a "proceder à averiguação dos factos" que estão a levar centenas de turistas espanhóis a reclamar contra um parque de Natal, que abriu portas este fim de semana em Algés.

"Tendo tomado conhecimento de reclamações de visitantes da Capital do Natal, evento privado e apoiado por diversas entidades, a Câmara de Oeiras já está a proceder à averiguação dos factos", lê-se num comunicado divulgado pela autarquia.

A Capital do Natal foi apresentada como um "sítio mágico" que dá a oportunidade de se "brincar com neve real", "patinar na maior pista de gelo" e ver espetáculos de luzes num grande lago no centro do recinto, entre outros.

O Christmas Fun Park da Europa está a ser comercializado também em Espanha, e este fim de semana foram vários os turistas espanhóis que se deslocaram ao parque nos arredores de Lisboa.

Contudo, centenas deles estão a tecer grandes críticas à Capital do Natal, a exigir o dinheiro de volta e o encerramento do parque, alegando que a imagem que lhes foi vendida não corresponde à realidade e que "nem neve havia".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)