Padrasto arguido pela morte de Rodrigo Lapa

Joaquim Lara Pinto apresentou atestado a dizer que sofre de perturbações mentais.
Por Ana Palma|28.09.17
Foi com "satisfação" que Sérgio Lapa, pai de Rodrigo Lapa, recebeu a notícia de que Joaquim Lara Pinto foi constituído arguido, no Brasil, pelo homicídio do seu filho, em fevereiro do ano passado, em Portimão. O padrasto do jovem apresentou-se às autoridades, terça-feira, para ser ouvido no âmbito do processo.

"Esta diligência demorou 10 meses a ser cumprida mas irá permitir que se feche formalmente o inquérito", explicou ontem ao CM o advogado do pai de Rodrigo, Pedro Proença, que agora espera que a Justiça avance. "Se houver acusação, o processo será enviado para o Brasil e Joaquim Lara Pinto será julgado lá", acrescentou.

Pedro Proença referiu que o padrasto de Rodrigo se manteve "em silêncio" na inquirição, após comparecer na Polícia Federal brasileira. "O advogado [de Lara Pinto] apresentou um atestado médico a dizer que ele está a sofrer de perturbações mentais" e que "não pode dizer nada porque não se lembra de nada", adiantou Proença. Nas buscas à casa onde Lara Pinto mora, com os pais, no bairro do Tijucal, em Cuiabá, no Brasil, - para onde viajou no dia a seguir ao alerta para o desaparecimento de Rodrigo - foi apreendido o telemóvel que o arguido tinha na altura do crime.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De jotana02.10.17
    Pobre jovem! morreu tão cedo! Oxalá o padastro seja condenado. E a mãe não vai sofrer penalização? Monstros desses não deveriam ter o previlégio de conceber filhos.
1 Comentário
  • De jotana02.10.17
    Pobre jovem! morreu tão cedo! Oxalá o padastro seja condenado. E a mãe não vai sofrer penalização? Monstros desses não deveriam ter o previlégio de conceber filhos.
    Responder
     
     0
    !