Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
1

Estratégia de crescimento de médio prazo é demasiado modesta

Afirmação de Pedro Passos Coelho.
Lusa 21 de Abril de 2016 às 19:00
Pedro Passos Coelho, presidente do PSD
Pedro Passos Coelho, presidente do PSD FOTO: Paulo Novais/Lusa

O presidente do PSD considerou esta quinta-feira que a estratégia de médio prazo que o Governo está a desenhar aponta para um crescimento "demasiado modesto" e defendeu a necessidade de um programa com objetivos "partilhado por todos".

"A estratégia que está desenhada não nos permitirá crescer nos próximos anos mais do que 1 a 2% ao ano. Se isso acontecer, o crescimento será sempre demasiado modesto, não será o suficiente nem para pagar as nossas dívidas, nem para reabsorver o desemprego desde a crise", afirmou o líder social-democrata, em declarações aos jornalistas à saída de uma conferência promovida pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD).

Escusando-se a fazer comentários sobre o Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas hoje aprovados em Conselho de Ministros por não querer fazer apreciações apenas com base nas notícias que foram sendo avançadas, Passos Coelho admitiu, contudo, que "as perspetivas de crescimento para Portugal nos próximos anos precisavam de mudar de uma forma mais impressiva" porque são "muito modestas".

"Estamos a falar de uma perspetiva que vai até 2020", sublinhou, lamentando que a estratégia económica que tem sido apresentada seja apenas "uma extensão daquilo que o Governo tem apresentado nos últimos meses".

"Ser cauteloso não tem nada a ver com ter uma estratégia económica arrojada", acrescentou, reiterando a necessidade de cautela porque o país não tem "muita margem para errar do ponto de vista das contas públicas.

Líder do PSD deu o exemplo da Irlanda
Antes, durante a conferência, o líder do PSD e antigo primeiro-ministro já tinha abordado a questão do crescimento económico, apresentando o exemplo da Irlanda, que cresceu 7% em 2015 porque conseguiu atrair investimento estrangeiro.

"Se os irlandeses foram bem-sucedidos nesse processo não há nenhuma razão para Portugal também não o ser", vincou, ressalvando, contudo, que para isso acontecer são necessárias políticas consistentes com esse objetivo.

Considerando que isso não deve ser motivo de disputa entre governos e quem está na oposição, Passos Coelho argumentou que todos têm "a ganhar em que esse processo seja bem-sucedido", quer aqueles que estão hoje a governar, quer "aqueles que têm a perspetiva de vir a estar no futuro".

Desta forma, continuou, é necessário "ter um programa de médio prazo com objetivos que possam ser partilhados por todos e que não sejam tão genéricos que percam significado".

"Isso pode ser decisivo para conseguirmos captar o investimento externo que precisamos para dar a oportunidade ao país de aliviar o fardo de anos anteriores em que dívidas foram contraídas sem que se tivesse gerado um retorno económico e social adequado", declarou.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)