Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
5

Portugal à beira da recessão

A economia portuguesa recuou 0,1 por cento no terceiro trimestre face aos três meses anteriores, arriscando entrar em recessão técnica em 2008.
9 de Dezembro de 2008 às 15:51
Portugal à beira da recessão
Portugal à beira da recessão

De acordo com contas do Instituto Nacional de Estatística (INE), a riqueza criada no terceiro trimestre traduz um agravamento da estimativa de 14 de Novembro, que apontava para a estagnação do Produto Interno Bruto (PIB).

Na variação homóloga, o PIB cresceu 0,6 por cento, menos uma décima do que a estimativa rápida.

Se a economia voltar a registar um crescimento negativo no quarto trimestre, Portugal entrará mesmo em recessão técnica ainda em 2008.

Segundo o INE, a baixa no crescimento foi determinada “sobretudo pela informação mais recente sobre o comércio internacional entretanto disponível, nomeadamente no que diz respeito às exportações nominais e bens deflactores”.

Para a quebra do PIB contribuíram as importações, que passaram de uma variação negativa de 2,6 por cento para um aumento de 1,1 por cento. Já as exportações caíram 1 por cento. o investimento também subiu mas apenas uma décima, face aos três meses anteriores, ao mesmo ritmo dos gastos do Estado.

ABRANDAMENTO COLOCA “NOVAS DIFICULDADES”

O ministro do Trabalho e Solidariedade Social, Vieira da Silva, considerou que o abrandamento da economia coloca “novas dificuldades e desafios” e exige trabalho de recuperação da confiança.

“A economia portuguesa continua a ter um crescimento relativamente ao que foi o desempenho face ao ano anterior”, frisou o governante, acrescentando que “o Governo já reconheceu que este abrandamento do crescimento económico coloca-nos novas dificuldades e novos desafios”.

Vieira da Silva sustentou que o executivo “tem apontado os instrumentos que considera prioritários e mais adequados para responder ao abrandamento da economia, na linha do que tem feito a maior parte dos países europeus e a própria União Europeia”.

PS: NÚMEROS SÃO REFLEXO DE CRISE INTERNACIONAL

Para o PS, “os números denotam um abrandamento já esperado, reflexo da crise internacional”. O porta-voz do PS, Vitalino Canas, lembrou que em outras “grandes economias também se registou um abrandamento significativo” e recusou-se a fazer “conjecturas”.

PSD: “NÚMEROS SÃO HORRÍVEIS”

O PSD considerou que “os números são horríveis, são muito graves para o país”. O deputado Hugo Velosa desafiou o Governo a dizer “toda a realidade da situação do país”, dado que “no quarto trimestre tudo poderá ser ainda pior, o próximo ano deverá ser ainda pior”.

O parlamentar considerou que o Executivo deve assumir que “a situação é muito difícil, que o próximo ano vai ser muito difícil para todos os portugueses”.

PCP: ECONOMIA ESTÁ A AFUNDAR-SE

O PCP recebeu “sem surpresa” os dados do INE, comprovando que a economia “está a afundar-se e que 2009 vai ser um ano de recessão técnica”.

Para o deputado Agostinho Neto, o Governo deve utilizar a “margem” do défice até aos três por cento e deve dar atenção especial ao investimento. “É preciso dar apoio às pequenas e médias empresas e aumentar o poder de compra das famílias, através dos salários e das pensões”, defendeu.

RECESSÃO NÃO SURPREENDE CIP

O presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), Francisco van Zeller, não se surpreende que a economia possa entrar em recessão ainda em 2008. “É natural porque a nossa economia está em linha com a Europa”, disse.

Para o empresário “o mais importante são os indicadores relativos à indústria de bens intermédios, transformadora e de consumo”.

“PORTUGAL NÃO ESTÁ EM RECESSÃO”

O Governador do Banco de Portugal considerou que ao contrário da Europa “Portugal não está em recessão técnica”.

“As previsões mais recentes apontam para uma recessão de menos 0,5 por cento em 2009 na zona Euro”, disse Vítor Constâncio, referindo que essa recessão será “global”.

CDS-PP RESPONSABILIZA GOVERNO

O líder parlamentar do CDS-PP lamentou que economia esteja “a caminho da recessão” e apontou responsabilidades ao Governo que “nunca preparou devidamente” o país para esta situação.

“São números que preferíamos não ter que comentar porque significam que Portugal está a caminho da recessão. O CDS-PP já tinha alertado várias vezes para o perigo da situação”, disse Diogo Feio.

Para o líder parlamentar do CDS-PP, “o Governo nunca criou condições, a nível fiscal, das empresas, e até a nível da situação da justiça, para enfrentar esta situação”.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)