Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
7

Portugal envia 160 homens para o Afeganistão em 2018

Força deverá estar operacional a partir de abril do próximo ano.
Lusa 15 de Setembro de 2017 às 16:53
Militares
Azeredo Lopes, ministro da Defesa, junto a militares
Militares
Azeredo Lopes, ministro da Defesa, junto a militares
Militares
Azeredo Lopes, ministro da Defesa, junto a militares

A força que Portugal está a preparar para o Afeganistão deverá incluir 160 militares e estar operacional a partir de abril do próximo ano, disse esta sexta-feira, em Nova Iorque, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes.

"Portugal comprometeu-se com o envio desta força a partir de abril (...) Será uma 'quick reaction' force [força de reação rápida], com cerca de 135 membros, e mais 25 de formação e treino na área da engenharia", precisou o ministro à agência Lusa em Nova Iorque.

O governo está a negociar o envio da força com a NATO, que terá uma dimensão equivalente ao contingente que retirou do teatro de operações do Kosovo em maio passado (mantêm-se dez militares no quartel-general).

"Portugal tinha dito que chegara a altura de descontinuar a sua presença no Kosovo - já lá estávamos de forma não totalmente continua desde 1999 -, mas que assumia o compromisso, assim que possível, de substituir essa presença por outra que incluísse essencialmente as nossas forças terrestres", explicou Azeredo Lopes.

O ministro disse esperar que "rapidamente se concretizem os detalhes" da missão, que tem de ser preparada "com a força turca, que tem o comando na zona do aeroporto de Kabul", para onde serão destacados os portugueses.

"Estamos agora a falar de um trabalho complexo, em que os militares são muito bons, e que pode envolver veículos blindados, material, equipamento", explicou o responsável.

Azeredo Lopes falou sobre esta nova missão com o secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, na terça-feira, e também já a apresentou na última reunião ministerial da NATO.

"Teve muito impacto, porque Portugal foi dos países que, proporcionalmente, aumentou mais a sua presença na operação no Afeganistão" recordou o ministro.

Azeredo Lopes concluiu na quinta-feira uma visita aos EUA em que, além da passagem por Washington, visitou o `Allied Command Transformation´ da NATO, em Norfolk, onde foi recebido pelo general Denis Mercier.

O ministro aproveitou esta visita para apresentar o projeto de um Centro de Segurança Atlântica na Base das Lajes, na ilha Terceira.

"Tinha de vender essa ideia, sem a desvendar de imediato, porque é um projeto que ainda esta a ser trabalhado. Aprendi os cuidados que é preciso ter no desenho de um centro de excelência. Foi importante a conversa com os nossos militares [portugueses, destacados neste centro], porque há vários com experiência e que explicaram a importância de definir bem o objeto e evitar que faca concorrência a outros já existentes", salientou.

Na quinta-feira, Azeredo Lopes reuniu-se na sede da ONU, em Nova Iorque, com o secretário-geral adjunto das Nações Unidas para as operações de paz, Jean-Pierre Lacroix, e com o secretário-geral adjunto da ONU para o apoio às operações, Athul Kare.

Durante os encontros, o ministro tratou de temas relativos à participação das Forças Armadas Portuguesas em missões de paz das Nações Unidas, sobretudo no Mali e na República Centro Africana.

"Foi muito agradável ouvir os fortíssimos elogios feitos ao trabalho que os nossos militares têm realizado nestas duas missões, bem como em outras. É um contexto operacional muito difícil em que os nossos militares se portaram muitíssimo bem", disse o ministro.

Azeredo Lopes frisou que "a presença portuguesa em missões de manutenção de paz é um objetivo político" e que "Portugal tem uma participação muito acima daquilo que seria expectável considerando a sua dimensão".

"Mantemos integralmente todos os compromissos que foram assumidos perante a organização. Agora trata-se de ter condições cada vez melhores para realizarem o seu trabalho e garantir que, se alguma coisa correr menos bem, podermos dizer em consciência que tudo fizemos para que as coisas fossem resolvidas", explicou o ministro.

O plano das Forças Nacionais Destacadas para 2018 será apreciado em Conselho Superior de Defesa Nacional, agendado para 21 de setembro.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)