Produtoras de TV resistem à crise

Em 2012 registou-se um volume de negócios na ordem dos 56 milhões
29.10.13
  • partilhe
  • 0
  • +
Produtoras de TV resistem à crise
Associação de Produtores Independentes de TV representa atualmente 21 empresas do setor Foto Manuel Moreira

Apesar da queda do mercado publicitário, que limita as encomendas por parte das televisões, e da tímida expressividade da exportação, as produtoras independentes de TV estão a resistir.

Este ano, a Associação Portuguesa de Produtores Independentes de Televisão (APIT) representa 21 destas empresas, mais uma do que em 2012, quando o volume de negócios foi de 73 milhões de euros, sendo que apenas 56 milhões dizem respeito aos negócios com as televisões generalistas. O restante pertence ao item ‘outros’, como vídeos institucionais, colocação de produto, entre outros, explica a APIT ao Correio da Manhã.

Mas as fragilidades na última década são notórias. Em 2000, a APIT representava 32 empresas com um volume de negócios na ordem dos 150 milhões de euros. Em 2008 a associação já só tinha 18 produtores, com um volume de negócios de 60 milhões. Em matéria de internacionalização – tema abordado no primeiro encontro deste organismo – embora não existam dados concretos sobre os valores em causa, estima-se que a exportação de conteúdos portugueses não ultrapasse o meio milhão de euros por ano. Para a maioria destes produtores "não há uma verdadeira estratégia que permita a maximização de valor do setor audiovisual, tornando-o verdadeiramente importante para a afirmação de Portugal, da cultura portuguesa, fomentando os conteúdos nacionais e a captação de investimento externo", considera Manuel Duque, da Valentim de Carvalho.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
1 Comentário
  • De aaapois29.10.13
    Se o povo nao andasse a ver lixo como casa dos segredos e outros talvez o QI médio subisse e talvez o pais nao estava a ser enganado com as desculpas de austeridade.
    Responder
     
     3
    !