PS e PSD com empate técnico

Apenas duas décimas separam PS e PSD nas intenções de voto para as eleições legislativas, após uma queda acentuada dos socialistas. Um mês depois das europeias, o PS caiu 4,8 pontos percentuais, registando apenas 30,5 por cento das intenções de voto, de acordo com uma sondagem CM/Aximage. Já o PSD, com uma subida de 0,5 pontos percentuais, alcançou 30,3 por cento e um empate técnico com o PS.
09.07.09
  • partilhe
  • 0
  • +
PS e PSD com empate técnico
Foto Sérgio Lemos
A demissão de Manuel Pinho poderá ter tido alguma influência nos resultados desta sondagem, que decorreu nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho. Na sequência de um gesto insultuoso dirigido ao deputado comunista Bernardino Soares, o ex-ministro da Economia foi demitido em pleno debate sobre o Estado da Nação, na Assembleia da República, que decorreu no passado dia 2. O polémico negócio entre a PT e a TVI, discutido na altura em que era realizada a sondagem, também poderá ter 'custado' alguns votos a José Sócrates.
O Bloco de Esquerda foi o partido que mais que mais subiu nas intenções de voto (1,8 pontos percentuais) ao alcançar 13,3 por cento. A coligação CDU também subiu ligeiramente e registou 9,5 por cento, mas o CDS registou uma pequena queda de 0,3 pontos percentuais e ficou com 6,1 por cento das intenções de voto.

 

Leia todos os pormenores na edição de sexta-feira do 'Correio da Manhã'.

ESTACA ZERO: A Opinião de Jorge Sá

PS e PSD partem empatados para as próximas eleições legislativas, o que significa que a vitória de um ou de outro dependerá de muitos factores, em boa parte incontroláveis.

A campanha eleitoral já iniciada irá trazer-nos mais surpresas, decoradas de comunicação política negativa. Outros eventos marcarão a agenda, uns com origem institucional, outros externos à política, como, por exemplo, a ameaça que o surto de gripe A já faz pairar sobre a participação eleitoral.

Tal como agora, em Julho de 2008, PS e PSD estavam empatados, criando-se posteriormente uma forte diferença a favor do PS, que entrou em 2009 com um avanço de 14 pontos.

Na confiança para primeiro-ministro, que poderá vir a pesar na decisão de muitos eleitores, Sócrates tem agora um avanço de 13 pontos sobre Ferreira Leite, quando há um ano a sua vantagem era apenas de 3 pontos.

No entanto, em Março passado, Sócrates atingiu o máximo de 28 pontos (48,3% contra 20,5%), o que revela o vigor da nova dinâmica gerada pelas europeias, com Ferreira Leite a recuperar, num curto espaço de três meses, mais de metade da enorme diferença que então a separava de Sócrates. 

FICHA TÉCNICA

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 749 entrevistas efectivas: 339 a homens e 410 a mulheres; 192 no interior, 265 no litoral norte e 292 no litoral centro sul; 225 em aldeias, 230 em vilas e 294 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho de 2009, com uma taxa de resposta de 68,3%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 749 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,018 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 3,60%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 749 entrevistas efectivas: 339 a homens e 410 a mulheres; 192 no interior, 265 no litoral norte e 292 no litoral centro sul; 225 em aldeias, 230 em vilas e 294 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho de 2009, com uma taxa de resposta de 68,3%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 749 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,018 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 3,60%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 749 entrevistas efectivas: 339 a homens e 410 a mulheres; 192 no interior, 265 no litoral norte e 292 no litoral centro sul; 225 em aldeias, 230 em vilas e 294 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho de 2009, com uma taxa de resposta de 68,3%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 749 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,018 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 3,60%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 749 entrevistas efectivas: 339 a homens e 410 a mulheres; 192 no interior, 265 no litoral norte e 292 no litoral centro sul; 225 em aldeias, 230 em vilas e 294 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho de 2009, com uma taxa de resposta de 68,3%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 749 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,018 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 3,60%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.
Universo: indivíduos inscritos nos cadernos eleitorais em Portugal com telefone fixo no lar ou possuidor de telemóvel. Amostra: aleatória e estratificada (região, habitat, sexo, idade, escolaridade, actividade e voto legislativo) e representativa do universo e foi extraída de um sub-universo obtido de forma idêntica. A amostra teve 749 entrevistas efectivas: 339 a homens e 410 a mulheres; 192 no interior, 265 no litoral norte e 292 no litoral centro sul; 225 em aldeias, 230 em vilas e 294 em cidades. A proporcionalidade pelas variáveis de estratificação é obtida após reequilibragem amostral. Técnica: Entrevista telefónica por C.A.T.I., tendo o trabalho de campo decorrido nos dias 1, 2, 3 e 6 de Julho de 2009, com uma taxa de resposta de 68,3%. Erro probabilístico: Para o total de uma amostra aleatória simples com 749 entrevistas, o desvio padrão máximo de uma proporção é 0,018 (ou seja, uma “margem de erro” - a 95% - de 3,60%). Responsabilidade do estudo: Aximage Comunicação e Imagem Lda., sob a direcção técnica de Jorge de Sá e de João Queiroz.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!