Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
5

Pacheco Pereira responsabiliza PS por ajustamento

Histórico do PSD critica a aprovação do Tratado Orçamental.
Lusa 4 de Junho de 2016 às 11:57
O historiador e militante do PSD José Pacheco Pereira
O historiador e militante do PSD José Pacheco Pereira FOTO: LUSA

O historiador e militante do PSD José Pacheco Pereira responsabilizou este sábado os socialistas portugueses e europeus pela aprovação do Tratado Orçamental que oficializa a política de ajustamento enquanto visão da sociedade e "criminaliza as políticas socialistas".

Perante o 21.º Congresso do PS, em Lisboa, no debate "Socialismo Democrático: que futuro?", em que participaram Pacheco Pereira e a ex-deputada do BE Ana Drago, as posições críticas assumidas por ambos foram bem acolhidas pelos delegados, que aplaudiram frequentemente aquelas intervenções.

"Os socialistas aprovaram o Tratado Orçamental, os socialistas são o principal baluarte, depois do PPE [Partido Popular Europeu], da política dos últimos cinco anos de ajustamento. Não adianta ir com palavras mansas, não tivessem os socialistas apoiado a política da senhora Merkel e do senhor Schauble no conjunto da Europa ela não teria sido possível de executar como foi", defendeu Pacheco Pereira.

Já Ana Drago, considerou que é no projeto político do Bloco de Esquerda ou do espanhol Podemos onde atualmente está "o projeto da social-democracia do pós-guerra" que criou o modelo social europeu.

"É na esquerda radical", vincou a dissidente do Bloco.

Segundo Pacheco Pereira, a política do ajustamento não visa meramente garantir o pagamento dos juros da dívida, "é uma política que tem implícita uma noção de sociedade", é "uma política que criminaliza - porque sanções é isso que significa - as políticas tradicionais não só dos socialistas mas dos sociais-democratas".

O ex-líder parlamentar do PSD disse que analisou a moção de António Costa e nos documentos do Congresso do PS e concluiu que "de socialismo é que não há lá nada", considerando que a reversão de salários e pensões não é socialismo, nem um programa de combate à burocracia do Estado (o Simplex), abrindo apenas uma exceção para a aposta na educação plasmada nos documentos, que, essa sim, configura um programa socialista.

Pacheco Pereira relaciona essa falta de socialismo com "a aceitação das regras europeias" que, "implica que o essencial da política económica, ela também não pode ser socialista", argumentou.

PSD José Pacheco Pereira Tratado Orçamental 21.º Congresso do PS Ana Drago política partidos e movimentos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)