Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
2

Receitas do Daesh caíram 30% em nove meses

Grupo vai introduzir novos impostos no território que controla.
Lusa 18 de Abril de 2016 às 03:55
O Daesh perdeu cerca de 22% do seu território ao longo dos últimos 15 meses
O Daesh perdeu cerca de 22% do seu território ao longo dos últimos 15 meses FOTO: Reuters

As receitas do grupo extremista Daesh caíram cerca de 30% desde o ano passado, obrigando a organização a introduzir novos impostos no território que controla, incluindo uma taxa de reparação de antenas parabólicas, segundo um estudo esta segunda-feira publicado.

"Em março de 2016, o rendimento mensal do Daesh caiu para 56 milhões de dólares [49 milhões de euros]", declarou Ludovico Carlino, analista chefe do IHS Jane, um instituto especializado que publica regularmente relatórios sobre os territórios controlados pelos extremistas.

"Em meados de 2015, a receita mensal do Daesh era de cerca de 80 milhões de dólares [71 milhões de euros]", é indicado.

O relatório da IHS, que se baseia em informações dos meios de comunicação e de fontes na Síria e no Iraque, afirma também que a produção petrolífera nas zonas controladas pelo grupo diminuiu de 33.000 para 21.000 barris por dia.

Estas perdas estão largamente relacionadas com os ataques aéreos realizados pela coligação liderada pelos Estados Unidos e pela Rússia. Cerca de metade das receitas do grupo vem de tributação e confisco do comércio de bens, segundo o relatório. O petróleo representa 43% do total, com o restante a vir do tráfico de droga, da venda de eletricidade e de doações.

Segundo o IHS, o Daesh perdeu cerca de 22% do seu território ao longo dos últimos 15 meses e impõe hoje a sua lei a seis milhões de pessoas, contra os nove milhões anteriores. Assim, a sua receita fiscal diminuiu.

"Estes impostos incluem portagens para os condutores de camiões, taxas para a instalação ou reparação de antenas parabólicas, e 'taxas de saída' a quem tente sair de uma localidade", afirma Carlino.

Segundo o IHS, o grupo extremista introduziu também multas para os que não respondem corretamente a perguntas sobre o Corão, possibilitando pagamento em dinheiro em vez de punições corporais.

Desde o início do conflito sírio em 2011, metade da população do país foi deslocada, com cinco milhões de pessoas a fugirem para o estrangeiro. Mais de 270.000 morreram. O cessar-fogo decretado sobre a égide da Rússia e dos Estados Unidos em fevereiro não abrange os combates entre o Daesh e os grupos afiliados à Al-Qaida.

economia negócios e finanças Síria Daesh
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)