Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

Reforço de tripulação no 'cockpit' não impediu desastre das Linhas Aéreas Moçambique

Lusa 28 de Março de 2015 às 13:03

As Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) impõem desde 1992 o reforço da tripulação no 'cockpit' dos seus aviões, o que não terá evitado o alegado suicídio de um piloto da transportadora no desastre ocorrido em 2013 na Namíbia.

"Moçambique já tinha essa obrigatoriedade", disse hoje à Lusa João Abreu, presidente do Instituto Nacional de Aviação Civil (INAC), uma dia depois de a Agência Europeia de Segurança Aérea (EASA) ter recomendado a presença em permanência de dois membros da tripulação nos 'cockpits' dos aviões, na sequência do despenhamento deliberado pelo copiloto, nos Alpes franceses, de um Airbus-320 da Germanwings.

Segundo o presidente da entidade que regula a aviação civil em Moçambique, todos os voos domésticos da LAM obrigam há mais de 20 anos a que um tripulante substitua um dos dois pilotos quando se ausenta do seu lugar, determinando claramente quem tem acesso ao 'cockpit'.

Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)