Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
6

Relatório entregue no Congresso mostra agravamento da situação financeira do PCP

Documento mostra défice anual negativo de 1.082 mil euros, que só foi ultrapassado com recurso a receitas extraordinárias e às subvenções públicas.
2 de Dezembro de 2016 às 12:16
PCP, Jerónimo de Sousa, PS, Governo, BE, CGTP, Assembleia da República, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, PSD, CDS, CGD, CDU, João Ferreira, Lisboa, política, partidos e movimentos
PCP, Jerónimo de Sousa, PS, Governo, BE, CGTP, Assembleia da República, Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, PSD, CDS, CGD, CDU, João Ferreira, Lisboa, política, partidos e movimentos FOTO: Lusa
O PCP registou um agravamento da situação financeira nos últimos quatro anos, com um défice anual negativo de 1.082 mil euros, que só foi ultrapassado com recurso a receitas extraordinárias e às subvenções públicas.

De acordo com o relatório de contas de gestão, entregue aos delegados no XX Congresso e divulgado à comunicação social, entre o ano do anterior congresso, 2012, e 2015, o resultado financeiro apresenta um valor médio negativo de cerca de 1.082 mil euros.

Este valor representa "um agravamento que não permitiu ultrapassar a grave situação financeira identificada no XIX Congresso", em 2012, lê-se, no relatório.

Para cobrir a situação deficitária, o PCP recorreu a receitas extraordinárias e institucionais, através da gestão de património e subvenções estatais, atingindo "um resultado acumulado positivo de 1 milhão e 261 mil euros nos quatro anos em análise".

Com um crescimento das receitas de 5,6% e uma diminuição das despesas de 7,09%, o PCP mantém uma elevada despesa com pessoal, na ordem dos 29,49% do total.

As elevadas despesas com pessoal são justificadas pela existência de um "importante quadro de funcionários do partido", considerados "indispensáveis ao desenvolvimento da organização e da atividade partidária, bem como à afirmação dos princípios e objetivos do partido".

Ao nível da receita, o PCP aumentou o valor das quotas, que representam um peso médio anual de 9,4%, e as contribuições de filiados, que atingem um peso anual de 16,3%.

As contribuições dos eleitos "mantém-se estáveis", em 10,2% mas as receitas obtidas em iniciativas de angariação de fundos baixaram 1,3%, representando ainda assim 22,7% do total da receita anual.

O relatório destaca ainda que a situação nas organizações regionais "mantém-se no geral deficitária" e dependente da "caixa central", impedindo a redução dos subsídios a mais organizações regionais.

O XX Congresso do PCP decorre em Almada até domingo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)