Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
2

Serviço de Internet restabelecido na Coreia do Norte

Interrupção durou cerca de nove horas.
Lusa 23 de Dezembro de 2014 às 05:41
O ciberataque obrigou à anulação da exibição do filme sobre uma conspiração para assassinar o líder norte-coreano Kim Jong-Un
O ciberataque obrigou à anulação da exibição do filme sobre uma conspiração para assassinar o líder norte-coreano Kim Jong-Un FOTO: Rodong Sinmun/EPA

O serviço de Internet na Coreia do Norte foi esta terça-feira restaurado após interrupções durante cerca de nove horas, um incidente que ocorreu após o anúncio dos EUA de que responderia "de forma proporcional" ao ataque informático à Sony Pictures Entertainment.

Segundo a imprensa sul-coreana, as principais páginas de Internet norte-coreana permaneceram inativas durante cerca de nove horas até às 10h45 de hoje (01h45 em Lisboa), incluindo o portal da agência estatal de notícias KCNA e do diário Rodong Sinmun, dois dos meios oficiais de Pyongyang.

Ambas as páginas voltaram esta manhã (madrugada em Lisboa) a estar acessíveis e não foram registados mais interrupções.

Esta manhã também estavam a funcionar normalmente o portal de propaganda Uriminzokkiri ou o diário Choson Sinbo, da comunidade norte-coreana no Japão.

O regime norte-coreano, cujos servidores se encontram no estrangeiro, não se pronunciou sobre este 'apagão' temporário, nem confirmou que o mesmo tinha sido originado por um ataque informático.

Obama prometeu represálias

Um representante da Coreia do Norte na ONU comentou que a ligação à Internet no seu país "permaneceu instável nas últimas horas e que era impossível conseguir ligação", mas não deu explicações sobre o motivo, em declarações em Nova Iorque a um diário sul-coreano, segundo a agência Efe.

A desconexão acontece alguns dias depois de o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ter prometido represálias contra Pyongyang, depois de o FBI, polícia federal norte-americana, ter acusado a Coreia do Norte de estar por detrás do ciberataque contra a Sony Pictures.

O ataque paralisou o sistema informático da empresa e incluiu a difusão, na Internet, de cinco filmes dos estúdios, alguns ainda por estrear, de dados pessoais de 47 mil empregados, de documentos confidenciais, como o argumento do próximo filme da saga James Bond, e de um conjunto de 'emails' embaraçosos para os dirigentes da Sony.

O mais grave ciberataque registado nos Estados Unidos obrigou ainda à anulação da exibição da comédia 'Uma entrevista de loucos' (The Interview, título original)", sobre uma conspiração fictícia da agência de secreta CIA para assassinar o líder norte-coreano Kim Jong-Un.

Coreia do Norte Estados Unidos informática internet
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)