Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
1

Marcelo evita comentar caso de Tancos e situação do ministro da Defesa

"Não me pronuncio sobre debates parlamentares", disse o Presidente da República.
Lusa 20 de Setembro de 2017 às 16:25

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, evitou esta quarta-feira comentar as explicações que Azeredo Lopes prestou ao parlamento na terça-feira sobre o caso de Tancos e a sua situação enquanto ministro da Defesa Nacional.

À margem da cerimónia de abertura do ano académico na Reitoria da Universidade de Lisboa, questionado se ficou satisfeito com as explicações do ministro no plenário da Assembleia da República, o chefe de Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas respondeu: "Não me pronuncio sobre debates parlamentares".

"Não me pronuncio sobre debates parlamentares - que, aliás, continuam", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa, perante a insistência dos jornalistas, numa alusão à audição parlamentar do ministro da Defesa, que teve início às 15h00 desta quarta-feira e decorria na altura em que falava aos jornalistas.

Pouco depois, interrogado se tem confiança no ministro da Defesa, o Presidente da República também não quis responder à questão. "Não faz sentido estar a fazer comentários laterais à cerimónia que nos une aqui", argumentou. "Estamos aqui, no meio académico, fala-se de academia, de educação, de universidade".

Marcelo Rebelo de Sousa evitou igualmente falar das contingências orçamentais do ensino superior, limitando-se a dizer que "todos os anos, ainda por cima agora coincidindo com o debate do orçamento, o tema financeiro é um tema inevitável".

O chefe de Estado disse ter "muitas saudades" de dar aulas, referindo que, se tivesse continuado professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, estaria a entrar no seu penúltimo ano letivo.

Por outro lado, escusou-se mais uma vez, a comentar a proposta do grupo de trabalho para a reforma da supervisão financeira na Assembleia da República para que o Presidente da República venha a nomear as "figuras de topo" do Banco de Portugal e do Conselho de Supervisão e Estabilidade Financeira.

"Eu não conheço o diploma", justificou, prometendo falar do assunto "na altura devida", quando conhecer os termos dessa iniciativa legislativa.

Na terça-feira, ouvido num debate de atualidade na Assembleia da República sobre o caso do material militar de Tancos, o ministro da Defesa revelou que foram abertos três processos disciplinares no Exército e que no dia 14 começou o esvaziamento dos paióis, com a colaboração da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Azeredo Lopes sustentou que o Governo "fez o que devia ser feito e num tempo muito curto", sem responder a perguntas dos deputados para que esclarecesse a afirmação, feita em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, de que, "no limite, pode não ter havido furto nenhum" em Tancos, aludindo à ausência de provas.

Face às perguntas dos deputados do PSD e do CDS-PP sobre "o que se sabe e o que não se sabe" relativamente ao "furto de material militar" em Tancos, o ministro insistiu que "são do domínio da autoridade judiciária competente", salientando que "o inquérito se encontra em segredo de justiça".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)