Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
4

TAP: Jorge Miranda diz que privatização não devia ter sido fechada

Constitucionalista rejeita ainda a manutenção de um Governo em gestão.
Lusa 17 de Novembro de 2015 às 18:38
O constitucionalista Jorge Miranda
O constitucionalista Jorge Miranda FOTO: Duarte Roriz

O constitucionalista Jorge Miranda considerou esta terça-feira que o processo de venda da TAP não devia ter sido concluído na situação política atual, rejeitando a manutenção de um Governo de gestão e evidenciando a diferença em relação a 1987.

Em Lisboa, à margem da conferência "Portugal e a Defesa Nacional", Jorge Miranda disse aos jornalistas que "não é possível manter este Governo em gestão", sublinhando "uma diferença muito importante" em relação a 1987 - Cavaco Silva recordou segunda-feira que nesse ano esteve como primeiro-ministro cinco meses em gestão - porque nessa altura "deu-se a dissolução e foram convocadas novas eleições e agora houve eleições e portanto não pode haver dissolução".

"Eu sempre fui contra a privatização da TAP porque para citar uma frase de um brasileiro que eu encontrei uma vez no Brasil, os aviões da TAP são hoje o equivalente às caravelas do século XVI, portanto são extremamente importantes para Portugal. O processo já estava desencadeado mas a meu ver não devia ter sido concluído", respondeu ainda aos jornalistas.

Jorge Miranda TAP privatização Governo gestão governo (sistema) governo (sistema) executivo (governo)
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)