Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

Tribunal analisa arma usada para balear 'ex'

Versões contraditórias levaram defesa de Bruno Assembleia a pedir audição de dois peritos.
Nelson Rodrigues 16 de Novembro de 2016 às 08:34
Bruno Assembleia está a ser julgado no Tribunal de S. João Novo por tentativa de homicídio e violência doméstica
Bruno Assembleia está a ser julgado no Tribunal de S. João Novo por tentativa de homicídio e violência doméstica FOTO: CMTV
Bruno Assembleia tinha garantido no início do julgamento, no Tribunal de S. João Novo, no Porto, que apenas disparou o revólver para o ar e para o chão - e nunca com intenção de matar a sua ex-mulher e o novo namorado desta, a 30 de janeiro deste ano, num hostel.

Já Ana Mónica, ex-companheira do arguido, assegurou que este lhe apontou a arma à cabeça antes de disparar. Por haver versões contrárias, a defesa de Bruno pediu que fossem ouvidos peritos em balística.

"Esta arma tem capacidade letal. É perfurante quando disparada a curta distância. Se fosse encostada à testa tinha perfurado e matado, não tenho dúvidas disso", disse ontem em tribunal o perito Mário Basto.

Também um instrutor de tiro da PSP revelou em audiência as características da arma. "É antiga e de calibre 5.75 mm. Tem mais de 80 anos. Os projéteis são obsoletos e já nem se comercializam", referiu.

Ontem, os juízes, que estão a julgar Bruno Assembleia por dois crimes de tentativa de homicídio e violência doméstica, ouviram ainda os amigos do arguido. O padre Abel Costa realçou a relação de Bruno com o filho de Ana Mónica.

"Vi-o muitas vezes na escola. Ele fazia um acompanhamento muito próximo da criança", revelou. Já Jaime Alves, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Resende - de onde Bruno é natural - falou do seu caráter. "Não lhe tenho nada a apontar enquanto pessoa. Sempre foi um homem respeitador", explicou.
tribunal arma ex bala tiroteio Bruno Assembleia Porto
Ver comentários