Barra Cofina

Correio da Manhã

Cm ao Minuto
3

UGT quer salário mínimo de 565 euros em 2017

União Geral de Trabalhadores pede aumentos médios entre 3% e 4%.
Lusa 29 de Setembro de 2016 às 13:11
União Geral de Trabalhadores, UGT, Secretariado Nacional, economia, negócios e finanças, trabalho, salários e pensões
União Geral de Trabalhadores, UGT, Secretariado Nacional, economia, negócios e finanças, trabalho, salários e pensões FOTO: Direitos Reservados

A UGT aprovou esta quinta-feira a sua proposta reivindicativa para 2017, que prevê um aumento médio dos salários entre 3% e 4% e uma subida do salário mínimo nacional (SMN) para os 565 euros.

O documento que define as prioridades da política reivindicativa da estrutura sindical para o próximo ano foi aprovado pelo Secretariado Nacional e recuperou as principais reivindicações apresentadas há um ano.

A valorização dos salários, a atualização das pensões, o combate ao desemprego e a dinamização da contratação coletiva são os pontos fortes da proposta reivindicativa que vai servir de referência aos sindicatos da UGT, e que foi hoje apresentada em conferência de imprensa.

A UGT defende "uma atualização salarial adequada e responsável" e, considerando o cenário macroeconómico previsto para Portugal, a estrutura sindical defende "um aumento médio dos salários entre 3% e 4%".

De acordo com a proposta reivindicativa, apresentada pelo secretário-geral da UGT, Carlos Silva, "deverá ser equacionado o prolongamento, por mais um ano, da possibilidade de pagamento de subsídio de férias e de Natal em duodécimos" , por opção do trabalhador, seja no setor público, seja no privado.

Quanto ao SMN, a UGT propõe que este seja de 565 euros a partir de janeiro de 2017, "num quadro de valorização progressiva", devendo atingir "o valor mínimo" de 600 euros até ao final da legislatura.

A UGT propõe igualmente a eliminação da contribuição extraordinária de solidariedade (CES) e um aumento para todas as pensões, "diferenciando positivamente as pensões mínimas e as pensões mais baixas".

Na proposta, a UGT defende também a Atualização do Indexante de Apoios Sociais (IAS), atualmente nos 419,22 euros desde 2010, para os 440 euros a partir de 01 de janeiro de 2017, equivalente a um aumento de 5%.

É ainda proposta pela estrutura sindical a eliminação da sobretaxa de IRS a partir de janeiro de 2017 e a reposição do número de escalões e a atualização dos mesmos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)