Barra Cofina

Correio da Manhã

Comunicados de Imprensa

Candidaturas abertas para a 3.ª edição da iniciativa Relança-te da Escola de Impacto

Este é o segundo programa de aceleração promovido pela Fundação Ageas e pelo Impact Hub Lisbon
14 de Outubro de 2021 às 10:58
Está aberta a fase de candidaturas para a 3.ª edição do programa Relança-te, da Escola de Impacto, dirigida a pessoas afetadas pela Covid-19 que se encontram em situação de desemprego ou emprego precário, e que têm mais de 25 anos.
 
A Escola de Impacto é um programa de empreendedorismo e inovação social, fruto da parceria entre a Fundação Ageas e o Impact Hub Lisbon, que tem por objetivo promover a inclusão social através da empregabilidade. Seja mediante a criação de um negócio próprio ou do desenvolvimento de novas competências para conquistar um novo emprego, o foco é o desenvolvimento de competências técnicas e pessoais para que haja uma reinserção no mercado de trabalho.
 
As primeiras turmas surgiram em 2017 e 2018, de forma presencial, e em 2020, houve uma expansão para o online, para melhor responder aos desafios da atual crise pandémica. Agora, em 2021, a Escola de Impacto passa a oferecer dois cursos: o Inspira-te e o Relança-te, que partilham o mesmo objetivo, mas que se distinguem no formato, metodologias e públicos-alvo. 

O Relança-te procura ideias e negócios disruptivos, com responsabilidade social, ambiental e económica, assentes em modelos de negócio sustentáveis. É um programa de aceleração em formato totalmente online, com duração de sete meses e abrangência nacional.
 
Cada edição inicia com cerca de 60 participantes, que passam por três fases de seleçãobootcamp, aceleração e incubação – onde contam com formação e mentoria nas áreas de gestão, comunicação e marketing, fundraising e avaliação de impacto. Aos 10 projetos finalistas, a Fundação Ageas oferece, ainda, uma bolsa de 1500 euros.
 
De acordo com o Banco Central Europeu, "a queda do emprego na zona euro durante o ano de 2020 foi maior nos trabalhadores com vínculos mais precários, nos mais jovens e menos instruídos", estima-se que apenas em Portugal, mais de 136 mil trabalhadores precários perderam o emprego no ano passado, fruto do impacto da pandemia.
 
"É com satisfação que lançamos a 3.ª edição do programa Relança-te da Escola de Impacto. Considerando o sucesso das edições anteriores e enquanto o seu modelo nos parecer pertinente, continuaremos a apoiar um projeto que visa dar ferramentas e competências de empreendedorismo a quem estiver em situação de desemprego ou de suspensão de rendimentos, mas que ao mesmo tempo acredite no seu potencial para criar um negócio próprio com foco no impacto. A preparação de negócios para uma nova economia – economia de impacto – é também um dos objetivos deste programa que já provou que muda vidas e que tem um papel crucial para a constituição de novas comunidades de empreendedores", afirma João Machado, Presidente do Conselho de Administração da Fundação Ageas.
 
A 2.ª edição ainda está a decorrer e terá o demoday, para apresentação dos projetos que passarão à fase final de incubação, no dia 8 de outubro. Este evento será online, transmitido em formato live nas páginas de Facebook da Fundação Ageas e Impact Hub Lisbon e contará com júris como Anne Geubelle (CEO da Prologica e membro do board do Impact Hub Lisbon), João Farinha (Chefe do Gabinete do Secretário de Estado para a Transição Digital), João Machado (Presidente da Fundação Ageas), José Gomes (Chief Operations Officer do Grupo Ageas Portugal), Katrien Buys (Diretora de Estratégia, Inovação e Sustentabilidade do Grupo Ageas Portugal), Miguel Neiva (designer, empreendedor e fundador da ColorADD), Mariana Barbosa (jornalista e autora do podcast Start Now, Cry Later), Ricardo Florêncio (CEO da Editora Multipublicações).
 
Nas suas duas edições, o Relança-te contou com mais de 250 candidaturas e cerca de 40 projetos de impacto acelerados.
 
"Para construir um futuro melhor, que seja bom para as pessoas e para o planeta, precisamos de melhores negócios. Com o Relança-te queremos apoiar empreendedores a desafiarem o status quo e a criarem negócios que mantenham a sustentabilidade e a circularidade no centro do que fazem. Acreditamos que o empreendedorismo de impacto seja uma oportunidade única para uma reativação econômica mais verde e inclusiva", Francesco Rocca, Diretor-Geral do Impact Hub Lisbon.
 
As candidaturas para a 3.ª edição desta Escola de Impacto Online decorrem até ao dia 2 de novembro com o bootcamp agendado para os dias 3, 6 e 10 de dezembro.
 
Sobre a Fundação Ageas
A Fundação Ageas, lançada em Portugal em 1998, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que tem por missão apoiar a comunidade, promovendo o voluntariado corporativo e a solidariedade social, bem como desenvolvendo programas com impacto social. Pretende ser uma instituição corporativa que contribui para comunidades inclusivas e resilientes. Com o objetivo de aumentar o seu impacto social na comunidade, a Fundação Ageas estruturou um modelo estratégico baseado na construção de um ecossistema de parcerias de longo prazo, em torno de 3 eixos: voluntariado corporativo, empreendedorismo e inovação social e projetos com impacto social sustentável. Saiba mais em: https://www.grupoageas.pt/fundacao-ageas
 
Sobre o Impact Hub 
O conceito Impact Hub nasceu em Londres, em 2005, e trata-se de uma rede global de polos de inovação e desenvolvimento de projetos que visam a transformação da sociedade – desde a sua fundação, nascem em média mais de 1.200 startups e são criados cerca de 4.000 postos de trabalho a tempo inteiro cada ano. O Impact Hub tem mais de 15 mil membros espalhados por mais de 100 locais, que formam a maior comunidade de empreendedores de impacto a nível mundial presente nos 5 continentes.
O Impact Hub abriu portas em Lisboa no final de 2016 e hoje conta com um espaço de 300m2 na Baixa Lisboeta onde junta uma comunidade composta por organizações de referência em Portugal em diversos sectores de atividade económica e por empreendedores de impacto social e ambiental. A missão do Impact Hub Lisbon assenta em 3 pilares: inovação social nas organizações alinhada com as missões de responsabilidade social e sustentabilidade, maior eficiência no terceiro sector através da inovação social e apoio ao empreendedorismo de impacto em Portugal.
 
Ver comentários