Barra Cofina

Correio da Manhã

Comunicados de Imprensa
1

Maia atinge um novo recorde

Mais de 22 mil toneladas de resíduos enviados para reciclagem e compostagem em 2019
29 de Janeiro de 2020 às 15:17
A Maia fechou 2019 com o valor mais elevado de sempre na recolha seletiva de resíduos urbanos. A Maiambiente enviou, para reciclagem e compostagem, 22.100 toneladas de resíduos com potencial de valorização. Um excelente resultado ao qual se soma o índice de "Retomas de Recolha Seletiva" a atingir os 72,8 kg/hab., valor que supera os 67,20 kg/hab., atingidos em 2018, e a "Taxa de Preparação para Reutilização e Reciclagem" que atingiu os 47,33%, superando, também, os valores de 2018, 45,75%, e as metas do PERSU 2020 (38%).

"A adesão e o empenho da população são essenciais neste processo de construção de uma Maia mais sustentável. A quem muito agradecemos. Mas, só aliando a esse comprometimento da população, uma estratégia alinhada com a preocupação mundial na procura de alternativas mais sustentáveis e com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável previstos na Agenda 2030 é possível atingir estes resultados", salienta o Presidente da Maiambiente, Paulo Ramalho.

Os resíduos mais recolhidos foram papel (3.750 ton.), vidro (3.450 ton.), embalagens (3.050 ton.), resíduos orgânicos (2.450 ton.) e madeira (1.700 ton.). Contribuíram ainda para estes resultados, entre outros, a recolha de resíduos elétricos e eletrónicos, resíduos têxteis, resíduos de construção e demolição, objetos volumosos e resíduos verdes.

Potencial de Valorização ainda é elevado

Porém, ainda muito pode ser feito. Para além dos resíduos que foram enviados para reciclagem e compostagem, foram recolhidas 42.900 toneladas de resíduos indiferenciados, valor que representa mais de 310 kg por hab./ano. "Este é um valor que é urgente reduzir de forma a garantir a sustentabilidade ambiental, mas também económica do país para as gerações futuras" alerta Paulo Ramalho. Reforçando, "a cada tonelada de resíduos indiferenciados está associado um custo de recolha/transporte e outro de tratamento, pelo que a única forma de o diminuir, é reduzir a produção de resíduos e separar cada vez mais e melhor porque ainda são deitados no lixo, muitos resíduos que podem ser enviados para reciclagem. É com este foco que temos vindo, também, a trabalhar e a implementar medidas de reajuste quer na recolha de resíduos porta a porta, quer na oferta de serviços complementares, quer no estudo de um novo modelo tarifário, pioneiro em Portugal, onde os clientes apenas pagarão pelos resíduos que não reciclam".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)