Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Carlos do Carmo despede-se hoje dos palcos no Coliseu de Lisboa

Fadista começou a cantar há 57 anos.
Lusa 9 de Novembro de 2019 às 07:28
Carlos do Carmo
Carlos do Carmo FOTO: Youtube
Carlos do Carmo apresenta-se este sábado à noite no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, naquele que é anunciado como o seu último concerto, "Obrigado!".

"É altura de acalmar", disse o fadista em entrevista à agência Lusa, recordando que começou a cantar há 57 anos.

"É só uma saída de cena, dos palcos", sublinhou Carlos do Carmo, afirmando que a decisão "não foi difícil" de tomar, "foi pensada" e "este era o momento".

"Tomei-a no ano passado. São 57 anos a cantar, quase no mundo inteiro. São poucos os países onde não cantei. Foi muita viagem, [foram] muitos hotéis, muitos palcos, é muita coisa e é uma altura boa de acalmar. E como gosto muito de ouvir cantar bem, ainda me vou desforrar a ouvir quem canta bem", disse o fadista à Lusa.

Carlos do Carmo recusa-se a salientar qualquer uma das salas onde já cantou, "pois seria até ingrato, não era justo estar a escolher um ou outro" palco, mas destacou "o peso da emigração", que sempre o recebeu "como um rei".

"Passei momentos muito bonitos em grandes salas, em salas mais modestas. Às vezes estava em Paris e aparecia alguém que me perguntava se eu não me importava de ir cantar ao seu restaurante com os meus guitarristas, e eu ia cantar para 50/60 pessoas, e isso dava-me muito prazer, não tive esses preconceitos", declarou.

O fadista afirmou que "é muita coisa vivida, [são] muitas experiências", num percurso profissional de 57 anos.

Carlos do Carmo, distinguido em 2004 com um Grammy Latino de carreira, cantou no Olympia e no Auditório Nacional, em Paris, no Le Carré, em Amesterdão, no Place des Arts, em Montreal, no Canadá, nas óperas de Frankfurt e de Wiesbaden, na Alemanha, no 'Canecão', no Rio de Janeiro, e no Memorial da América Latina, em S. Paulo, no Brasil, no Royal Albert Hall, em Londres, entre muitas outras salas.

Referindo-se ao concerto, já esgotado, Carlos do Carmo disse que foi "todo construído" pelo filho Alfredo de Almeida, que é o seu agente, o que lhe acontece pela primeira vez na carreira.

"Não dei um palpite. Nunca me aconteceu na minha carreira, pois sou sempre eu que faço o guião, o alinhamento", enfatizou, acrescentando que os dois concertos anteriores, em Braga e no Porto, "correram muito bem".

A acompanhá-lo vai estar um trio já habitual, composto por José Manuel Neto, na guitarra portuguesa, Carlos Manuel Proença, na viola, e Marino de Freitas, na viola baixo.

Carlos do Carmo, que completará em dezembro 81 anos, é, segundo a "Enciclopédia da Música em Portugal no Século XX", uma "figura marcante no estabelecimento de mudanças na tradição fadista", sendo uma das "suas maiores referências, com reconhecimento nacional e internacional".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou a presença no concerto "Obrigado!", "um adeus ao público português", a revisitação de um percurso de mais de 50 anos do cantor.

fadista Carlos do Carmo Coliseu de Lisboa palcos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)