Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

32 milhões por Van Gogh

Uma pintura rara de Vincent Van Gogh dedicada ao seu amigo Paul Gauguin foi vendida por 40,3 milhões de dólares norte-americanos (31,9 milhões de euros), o quarto valor mais alto alguma vez pago por uma obra do artista holandês.
4 de Maio de 2006 às 00:00
Com uma base de licitação de 20,6 milhões de euros, o quadro ‘L’Arlésienne, Madame Ginoux’ (1890) foi adquirido por um anónimo, no primeiro leilão de arte impressionista e moderna da Primavera da Christie’s, em Nova Iorque. A pintura pertencia à colecção da família Bkwin e tinha sido avaliada em 31,7 a 39,6 milhões de euros.
Após o leilão, o presidente da Christie’s America, Christopher Burge, declarou que o preço foi “maravilhoso para este tipo de obra de Van Gogh”.
Esta é a pintura mais importante de uma série de cinco óleos que Van Gogh realizou em Fevereiro de 1890 em homenagem ao seu amigo e artista francês Paul Gauguin.
Madame Marie Ginoux, a mulher retratada, era a proprietária de um café em Arles, a sul da França, muito frequentado pelos dois pintores durante a sua estada nesta vila. Aliás, foi neste período que Van Gogh cortou a própria orelha e, enquanto recuperava num asilo, realizou o famoso quadro.
No leilão da Christie’s foi também vendido por 27,5 milhões de euros a pintura ‘Le Repos’, de Picasso, a segunda obra mais licitada no mesmo leilão da Christie’s, ultrapassando os 15,8 milhões estimados.
O óleo, realizado em 1932, era um dos lotes mais aguardados, pois o vendedor era um neto do artista espanhol e nunca antes tinha saído do núcleo familiar. O quadro foi adquirido pelo galerista norte-americano Larry Gagosian, alegadamente para um cliente.
Na opinião do biógrafo de Picasso John Richardson, ‘Le Repos’ é uma das “mais trágicas e poderosas” obras do artista espanhol. Nele é retratada a bailarina russa Olga Khokhlova, antiga mulher de Picasso, em fusão com a amante Marie-Therese Walter, numa espécie de “união psciológica do bem com o mal”.
MERCADO SÓLIDO
Outro retrato de Picasso, ‘Germaine’ (1902), alcançou 14,7 milhões de euros. Avaliada entre 14,2 e 14,7 milhões de euros, a obra pertencia ao ‘período azul’ do artista.
Com a venda de 43 das 50 obras à praça, o primeiro leilão da Primavera da Christie’s arrecadou 142,8 milhões de euros, ultrapassando as estimativas preliminares de 114,2 a 156,2 milhões de euros.
De acordo com Christopher Burge, este resultado reflecte um “mercado sólido e forte, sem ser louco”. “Os preços não estão fora de controlo”, referiu, acrescentando que 51 por cento dos compradores são norte-americanos, 36 europeus, cinco asiáticos e nove por cento de outros países ou regiões.
OS MAIS VALIOSOS
CÉZANNE (96 MILHÕES)
Esta natureza morta de Cézanne foi leiloada por 96 milhões de euros em 2003, constituindo o valor mais alto até agora pago por uma obra de arte.
PICASSO (86 MILHÕES)
Com a venda por 86 milhões de euros de ‘Rapaz com Cachimbo’ (2004), a cotação internacional do artista espanhol bateu todos os recordes. O que demonstra que Picasso continuará a ser um dos artistas mais procurados em leilões internacionais.
VAN GOGH (68 MILHÕES)
O ‘Retrato do Dr. Gachet’ alcançou 68 milhões de euros, num leiloão realizado em 1990. O Dr. Gachet era o médido de Van Gogh e, diz-se, recebeu obras como forma de pagamento pelos seus serviços.
Ver comentários