Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

ALCOBAÇA RECONCILIA-SE COM MOSTEIRO

O Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça tem condições, pela primeira vez na sua história, para servir de pólo ao desenvolvimento cultural da região Oeste e promover a reconciliação com os alcobacenses, afirmou ontem Gonçalves Sapinho.
20 de Outubro de 2002 às 00:05
Para o presidente da Câmara Municipal de Alcobaça, que falava no âmbito das comemorações dos 750 anos da sagração da Igreja do Mosteiro, as obras de requalificação e o facto do monumento estar finalmente devoluto vieram dar condições únicas para a “reconciliação da cidade com o Mosteiro”.

Partindo do princípio que “não há verdadeiro desenvolvimento sem cultura”, José Amaral Lopes, secretário de Estado-Adjunto do ministro da Cultura, salientou a vontade do Governo em continuar com as obras de recuperação do monumento, onde já foram investidos dois milhões de euros.
Em termos globais, o projecto estende-se até 2006, prevendo-se que sejam gastos mais 6,5 milhões de euros, adiantou o governante.

A cerimónia de ontem marcou o início das celebrações destinadas a assinalar também os 850 anos da Fundação da Abadia e os 850 anos da morte de S. Bernardo de Claraval. No âmbito desta iniciativa, promovida em conjunto pelo IPPAR, Universidade de Coimbra, Mosteiro, Paróquia e Câmara Municipal de Alcobaça, vai realizar-se um ciclo de conferências sobre “Cister e a Imagética Mariana”.

O programa, que se estende até 8 de Dezembro, inclui vários concertos e encerra com uma missa solene, presidida por D. Zacarias Kamuenho, presidente da Conferência Episcopal de Angola. A efeméride contou ainda com a edição de uma pequena escultura evocativa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)