Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Cantora espanhola morre durante atuação após dispositivo pirotécnico explodir

Joana Sainz Garcia foi atingida na zona do estômago.
Ana Maria Ribeiro 3 de Setembro de 2019 às 01:30
Joana Sainz Garcia tinha 30 anos
Atuação do grupo segundos antes da explosão
Momento em que o dispositivo pirotécnico explode, ferindo Joana
Joana Sainz Garcia tinha 30 anos
Atuação do grupo segundos antes da explosão
Momento em que o dispositivo pirotécnico explode, ferindo Joana
Joana Sainz Garcia tinha 30 anos
Atuação do grupo segundos antes da explosão
Momento em que o dispositivo pirotécnico explode, ferindo Joana
A cantora e bailarina Joana Sainz Garcia, que pertencia à banda espanhola Super Hollywood Orchestra, morreu neste domingo, dia 1 de setembro, quando atuava no festival de música de Las Berlanas, município espanhol perto de Madrid, em Espanha.

A artista, que tinha apenas 30 anos, foi atingida por um dispositivo pirotécnico colocado à frente do palco que explodiu, atingindo-a na zona do estômago. Os restantes bailarinos e cantores saíram imediatamente do palco, mas Joana Sainz Garcia ficou caída, inanimada, em cena, perante o choque dos espectadores.

A artista ainda foi assistida por um médico e quatro enfermeiras que se encontravam entre as cerca de mil pessoas que assistiam ao espetáculo, e que lhe fizeram os primeiros socorros, antes da chegada dos paramédicos.

No entanto, e apesar de ainda ter chegado ao Hospital de Ávila com vida, Joana Sainz Garcia não resistiu aos ferimentos e acabou por morrer.

O festival, que dura quatro dias e que estava, precisamente, na atuação final, com os Super Hollywood Orchestra, terminou mais cedo e os organizadores apressaram-se a lamentar o sucedido e a apresentar, em comunicado publicado nas redes sociais, as condolências à família da cantora e bailarina.

Quando à produtora Prones 1 SL – que gere a carreira da banda – também lamentou a morte da artista e justificou o acidente com um provável defeito técnico do material usado no espetáculo. "É impossível explicar o que aconteceu", afirmou o promotor Isidoro López. "Fazemos este número há cinco anos e nunca tivemos problema algum. Estes dispositivos lançam fogo de artifício que é suposto durar entre 15 e 20 segundos, mas este explodiu de forma descontrolada."

Em entrevista a um jornal local, em Ávila, López agradeceu ainda o apoio que os amigos e fãs estão a dar ao grupo.

SAIBA MAIS
300
pessoas ficaram feridas num festival de música de Vigo, em Espanha, no mês agosto, depois de o palco ter ruído. Apesar de não haver registo de mortos, cinco dos feridos terão ficado em estado grave.

Uma morte suspeita
Também em agosto, um homem de 33 anos morreu durante o festival Burning Man, no Nevada, EUA. Depois de autopsiado, foi descoberta uma quantidade tóxica de monóxido de carbono no seu sangue e a morte foi considerada suspeita. Há uma investigação a decorrer.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)