Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Capital da Cultura custa 111 milhões

O orçamento para ‘Guimarães - Capital Europeia da Cultura de 2012’, designação que ontem foi confirmada pelo Conselho Cultural da União Europeia, é de 111 milhões de euros e deve ser gerido, numa primeira fase, por uma empresa municipal, que, a prazo, deve transformar-se em fundação.
13 de Maio de 2009 às 00:30
Centro Histórico da cidade vai sofrer a maior valorização desde a classificação como Património Mundial
Centro Histórico da cidade vai sofrer a maior valorização desde a classificação como Património Mundial FOTO: Secundino Cunha

Destes 111 milhões de euros, 70 milhões devem ser aplicados em novos equipamentos e projectos de requalificação urbana, sendo cerca de 30 milhões destinados à programação cultural e os restantes às despesas de organização do maior evento cultural de sempre da cidade.

De resto, a população e os comerciantes de Guimarães estão convictos de que a designação de Capital Europeia da Cultura vai ser 'muito positiva para a cidade'.

Carlos Teixeira, presidente da Associação Comercial, disse ao CM que '2012 vai certamente ser um ano muito positivo'.

'Por um lado, o número de visitantes vai aumentar, o que resultará em maior volume de vendas; por outro, a valorização urbanística, sobretudo ao nível das acessibilidades e estacionamento, criarão condições para que mais gente visite e faça compras no centro de Guimarães', garantiu o dirigente associativo.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)