Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

CELINE DION ARRASA LAS VEGAS

Celine Dion venceu a mais alta aposta da noite de Las Vegas. Na estreia, anteontem, do espectáculo “A New Day...”, cujos custos de produção superam os 120 milhões de euros, cantou durante 100 minutos para uma plateia de 4100 fãs que esgotaram o renovado Collisseum.
27 de Março de 2003 às 01:47
Um dos momentos do espectáculo: Celine e bailarinas em The Power of Love
Um dos momentos do espectáculo: Celine e bailarinas em The Power of Love FOTO: Ethan Miller (Reuters)
“Hoje é o grande dia. Quero agradecer a todos por estarem aqui... Apesar de tudo o que está a acontecer no Mundo, vamos tentar focalizar-nos na paz. Vamos divertir-nos”.
Uma mensagem de paz no arranque de um espectáculo que servirá para testar o verdadeiro poder da estrela canadiana em atrair multidões. Até 2006, Dion vai realizar 200 espectáculos por ano, cinco noites por semana, 40 semanas por ano. Até à estreia, o número de bilhetes vendidos rondava os 250 mil, correspondentes aos primeiros três meses. Desde ontem que mais uma remessa está à venda.
Por tudo, diz-se, o marido e empresário René Angelil, terá negociado um “cachet” de 100 milhões de dólares (cerca de 122 milhões de euros), acrescido de 50 por cento do total das receitas de bilheteiras. Nada mal, portanto.
a toda a prova
O espectáculo, diga-se, é digno de Las Vegas: uma verdadeira “extravaganza” de encher o olho com 60 pessoas em palco, entre bailarinos e músicos.
E a diva, que faz 35 anos no próximo domingo, canta e dança, por vezes pendurada num cabo de aço. E nem perdeu a compostura quando um dos seus sapatos lhe foi roubado exactamente durante uma das “acrobacias”. Limitou-se a sorrir enquanto esperava por um novo par...Assim mesmo.
Evidenciando um profissionalismo a toda a prova, a cantora interpretou 20 temas de uma carreira consolidada com 150 milhões de discos vendidos em todo o Mundo. Casos de “Fever”, “The Power of Love”, “At Last”, “I’Ve Got The World On a String” e o inevitável “My Heart Will Go On”.
EM GRANDE ESTILO
Levar à cena "A New Day..." implicou um esforço hercúleo por parte dos responsáveris do Caesar's Palace, onde se situa o Colliseum, hoje transformado na maior sala de espectáculos de Las Vegas superando a concorrência do Mandala Bay e do Venetian. No Colliseum, que tenta recriar o excitante ambiente do homónimo romano, tudo foi preparado em grande. A sala alberga o maior ecrã digital LED de toda a América do Norte, com 36 metros de comprimento por 12 de altura, a que não falta sequer uma porta no meio. Única no Mundo, como fez questão de salientar Frank Rodriguez, responsável pela produção durante a viagem aos bastidores. Onde não falta nada... rigorosamente nada. Desde um fisioterapeuta a um apartamento para Celine e comitiva, passando por uma carpintaria, salas de ensaios para músicos e bailarinos e toda a espécie de controlos com o que de mais sofisticado existe no planeta, seja ao nível do som, luz ou cenários. E nem mesmo a segurança foi descurada. Pelo contrário. Na véspera da estreia, funcionários do casino passavam a pente fino todas as máquinas próximas da entrada principal da sala. Mais. Segundo Rodriguez, há controlos de som e imagem em todo o lado, ao ponto de se poderem detectar desde a entrada quais são os fãs "mais excitados" e que lugares vão ocupar. Para que nada falhe, Rodriguez adiantou ainda que vários seguranças vão estar sentados nas filas junto ao palco, como vulgares espectadores, para travar quaisquer tentativas de abordagem à diva. "Mas não vos digo os lugares deles", lançou entre risos. Para assegurar que tudo funcione na perfeição (como se exige), uma equipa de mais de 200 pessoas trabalha diariamente no espectáculo cujos ensaios se desenrolam desde Dezembro. A partir de agora, é mesmo um novo dia.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)