Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Cinema português sem grandes êxitos em 2017

‘O Fim da Inocência’ foi o filme mais visto do ano, com mais de 64 mil espectadores.
Duarte Faria 28 de Dezembro de 2017 às 01:30
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
Cenas do filme 'O Fim da Inocência'
O cinema português não viveu um ano particularmente bem-sucedido em 2017. À falta de um grande êxito de bilheteira somaram- -se dezenas de longas-metragens sem projeção mediática, o que se refletiu na baixa afluência de público e escassas receitas de bilheteira, um problema crónico do setor em Portugal.

‘O Fim da Inocência’, ainda em exibição, foi o filme português mais visto do ano, com mais de 64 mil espectadores e uma receita de bilheteira superior a 340 mil euros, de acordo com os dados disponibilizados pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA). Há ainda a registar três outras longas-metragens com mais de 40 mil espectadores: ‘Jacinta’, de Jorge Paixão da Costa, ‘Perdidos’, de Sérgio Graciano, e ‘São Jorge’, de Marco Martins. Este último, à bem-sucedida carreira em sala, somou vários prémios internacionais.

Referência também para Joaquim Leitão que, além de ‘O Fim da Inocência’, conseguiu colocar outro filme entre os 10 mais vistos do ano: ‘Índice Médio de Felicidade’.

Em 2017 estrearam 39 filmes lusos. As contas feitas pelo CM a partir dos dados do ICA revelam que estes somaram 370 104 espectadores, a que correspondeu uma receita bruta de mais de 1,84 milhões de euros.

Filmes menos vistos
Dos 39 filmes portugueses que estrearam nos cinemas este ano, 14 tiveram menos de mil espectadores. A longa-metragem menos vista foi ‘A Estrada 47’, de Vicente Ferraz, com apenas 17 espectadores e 87 euros de receita de bilheteira.

‘Pátio’ é o melhor
O remake de ‘O Pátio das Cantigas’ (2015), de Leonel Vieira, continua a ser o filme mais visto do cinema português desde que o ICA começou a compilar dados, em 2004. Levou às salas de cinema mais de 608 mil pessoas e arrecadou uma receita superior a 3 milhões de euros.
Ver comentários