Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Cláudia Martins: "Já éramos famosos, mas depois de sermos autuados pela GNR ficámos mais"

Banda multada pela polícia por excesso de velocidade torna-se num fenómeno e muda de editora discográfica.
A.M.R. 25 de Junho de 2018 às 21:37

Correio da Manhã – A vossa banda é a primeira na história da música portuguesa que ficou famosa depois de ter sido autuada pela GNR por excesso de velocidade...

Cláudia Martins – Já éramos bem conhecidos antes disso, mas depois de sermos parados pela GNR, somos ainda mais. Não, em relação a esse episódio, não me recordo de nada semelhante.

Contado, tem graça. Na altura, também, ou nem por isso?

O que aconteceu teve uma enorme repercussão nas redes sociais, imensos comentários. Mas quando a GNR publicou o vídeo na página oficial, foi fantástico. A maior parte dos ‘gostos’, partilhas e comentários caíram nessa altura, e o que as pessoas realçavam era precisamente isso: a minha reação de boa disposição, tão diferente da da maioria dos condutores!

Entretanto, ficaram amigos da GNR, que vos chamou para participarem numa campanha de prevenção rodoviária. Compuseram canções específicas para a ocasião?

Na altura, nem o nome dos militares fixei, mas houve um acontecimento engraçado… Alguns meses depois do sucedido, num concerto em Penafiel, um dos militares que me autuou foi ter comigo no final do concerto, ofereceu-me mel produzido por ele e pela sua família e identificou-se. Teve graça. Depois convidaram-nos para cantar e gravar o tema ‘Sensibilização à Segurança Rodoviária – GNR’, dando alguns tópicos: queriam  alertar os condutores para as novas regras, mas queriam fazê-lo com piada. Foi só mais tarde que optei por criar um tema que conta cada passagem do incidente. Chama-se ‘Cantiga à GNR’.

Quando fundaram o grupo? E porque optaram pela música popular?

Enveredei pela música popular desde muito cedo, primeiro pelo gosto pelo instrumento: aprendi a tocar acordeão com 8 anos, um ano depois dei os primeiros passos na desgarrada e com 14 anos escrevi as minhas primeiras letras e temas originais. Tive vários projetos e em 2009 criei estes ‘Minhotos Marotos’. Não havia como fugir da música popular e "pra pular", como costumo dizer.

Como compõe as suas músicas? O que a inspira?

Habitualmente em conversas entre amigos surgem ideias e aproveito as noites mal dormidas (insónias) ou as grandes viagens para elaborar as letras. Depois pego na concertina e desenvolvo a melodia e o ritmo. Já os arranjos são compostos por mim e pelo resto da banda.

Com a mudança para a editora País Real, o que espera que traga ao projeto?

Julgo que vai ser bom para ambas as partes. É um gosto fazer parte da casa e espero podermos crescer e evoluir juntos! Já  estou a preparar um álbum de originais para ser editado pela editora…

É verdade que o facto de se tornarem conhecidos aumentou os pedidos para espectáculos?

Teve algum impacto nas decisões de certas comissões de festas e de empresários.

música cláudia martins e os minhotos marotos
Ver comentários