Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Começar a acabar

João Lagarto leva ao palco do Centro Cultural de Vila Flor a 24 de Novembro a peça ‘Começar a acabar’, uma das mais conhecida de Samuel Beckett.
18 de Novembro de 2007 às 00:00
Espectáculo prende o público
Espectáculo prende o público FOTO: d.r.
O tradutor, interprete de renome e encenador do monólogo, considera que a peça é acima de tudo um profundo acto de amizade entre dois irlandeses proeminentes: o dramaturgo Samuel Beckett e o actor Jack Macgowran.
“Não há nada mais cómico do que a infelicidade”, atesta uma máxima beckettiana bem patente no monólogo assim como a celebração da errância e da confessionalidade.
‘Começar a acabar’, que estreou em 1970 no Teatro Eduardo VII, em Paris, é a junção de três narrativas de Beckett: ‘Molloy’, ‘Malone está a morrer’ e o ‘Inominável’.
A encenação que animará um dos melhores palcos de Guimarães, tem como tema a inevitabilidade da morte. “Em breve estarei morto finalmente apesar de tudo”, profere, no início, a personagem de João Lagarto, um homem que está prestes a morrer e que tenta percorrer a história da sua vida e os seus fantasmas.
Antes de chegar a última hora, recorda as relações tensas com o pai que morreu cedo, a ligação terna à mãe, com quem nunca se conseguiu entender, a infância agitada e sem amor.
O espectáculo dura cerca de uma hora e meia, mas o ritmo alucinante e caótico do discurso, típico de um homem que espera impacientemente pela morte, prende o público até ao último segundo.
A peça conta ainda com duas canções originais de Jorge Palma, ambas com poemas de Beckett, que serão interpretadas em palco por João Lagarto.
A crítica já louvou a performance do actor que trabalhou em mais de 60 peças, fundou cinco grupos de teatro e participou em dezenas de filmes e séries de televisão.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)