Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

'Cosmopolis' à espera da Palma de Ouro

Poderá ‘Cosmopolis’ ganhar a Palma de Ouro? Em teoria sim, apesar de tal ideia não ser consensual entre os críticos presentes no Festival de Cannes. No entanto, isso pouco costuma afectar os júris, tradicionalmente afastados das ‘tendências’. Mas até uma eventual falta de consenso num júri multifacetado (Hiam Abbas, Jean-Paul Gaultier, Diane Kruger, Ewan McGregor, Andrea Arnold, Alexander Payne, Emmanuelle Devos e Raoul Peck) poderá encontrar apenas consenso em segundas escolhas. Seja como for, dificilmente um filme foi tão bem talhado para Cronenberg obter esta distinção. A ver vamos.
27 de Maio de 2012 às 01:00
Filme de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco e protagonizado por Robert Pattinson, é candidato à Palma de Ouro
Filme de David Cronenberg, produzido por Paulo Branco e protagonizado por Robert Pattinson, é candidato à Palma de Ouro FOTO: D.R.

A fazer eco das tendências, a Palma de Ouro iria direitinha para ‘Amour’ de Michael Haneke, essa ode ao amor sem idade, que o levaria a repetir a proeza apenas três anos depois. Palma, Prémio do Júri ou interpretação (Jean-Louis Trintignan e Emmanuelle Riva) - uma coisa é quase certa: ‘Amour’ será vencedor.

Paradoxalmente, a 65ª edição do festival de Cannes – a idade da reforma! – ficará inevitavelmente ligada à juventude. Abriu com ‘Moonrise Kingdom’, com o americano Wes Anderson e exceder-se num encantamento sobre a puberdade, de longe o nosso preferido. E fechou como começou. Com a influência juvenil no mundo dos adultos, em ‘MUD’, de outro americano, Jeff Nichols, numa cativante variante do imaginário de ‘Huckleberry Finn’, em nova aventura ao longo do rio Mississípi.

Pelo meio ainda, não esquecer o empolgante ‘The Hunt’, sobre um falso abuso sexual de menor, que pode (e deve!) dar o prémio de interpretação a Madds Mikelsen. Neste plano, a oscarisada Marion Cotillard não necessitará deste prémio para seguir na sua carreira, apesar de estar impecável em ‘Rust and Bone’, mesmo sem beneficiar da ‘amputação’ física. Nem Matthew McConaughey, em entrega total, em dois filmes: ‘MUD’ e ‘Paperboy’.

A austríaca Margarethe Tiesel, uma ‘sugar mama’ à procura do erotismo tropical no pungente ‘Paradise’, de Ulrich Seidl, poderia ser uma forma de premiar este projecto bem recebido.

No plano das probabilidades a galardoar estão ainda o romeno Cristian Mungiu, com ‘Beyond the Hills’, e o iraniano Abbas Kiarostami, com ‘Like Someone in Love’, sendo que ambos já foram laureados em Cannes.

Certa crítica gostou muito do delírio, pouco interessante, de Leos Carax (‘Holy Motors’), bem como a ousadia técnica de Jacques Audiard (‘Rust and Bone’). No primeiro caso, ficou a originalidade e no segundo resta as entrega dos actores.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)