Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Digressão arranca hoje

Simples” e “intensa”. Assim promete ser a mais recente digressão dos irlandeses U2, ‘Vertigo//2005’, cujo pontapé de saída é dado esta noite no Sports Arena, em San Diego, na Califórnia. A digressão inclui mais de 100 concertos entre a Europa e os Estados Unidos, e passa por Portugal a 14 de Agosto, num concerto já esgotado no Estádio de Alvalade.
28 de Março de 2005 às 00:00
O ensaio final teve lugar anteontem à noite em Los Angeles e, segundo o próprio Bono afirmou na ocasião, esta será uma digressão “mágica” na qual “o todo será sempre maior do que a soma das partes”.
Assim sendo, e tomando em conta as crónicas relativas ao ensaio, ‘Vertigo//2005’ conta com um palco muito semelhante ao utilizado na ‘Elevation Tour’, simples e muito ‘clean’ (sem grandes artefactos ou motivos de diversão), ocupado, aqui e ali, pela bateria de Larry, pelo ‘pesado’ equipamento de The Edge e por um teclado. Tudo o mais é espaço, muito espaço, para Bono se movimentar. Colocada de parte está a existência de um segundo palco como vinha sendo hábito nas digressões da banda.
Quanto ao desenho, o palco foi concebido para tomar a forma da espiral de ‘Vertigo’, sendo enriquecido apenas por um ecrã vídeo de três níveis. Bono já negou, a propósito, que a simplicidade possa tirar brilho ao espectáculo e afirmou que o grupo irá encarar a mais recente digressão como sendo a primeira.
“É incrível termos chegado a este ponto. Aqui estamos nós, mais uma vez, na estrada. Mas o mais engraçado é que cada vez que começamos uma nova digressão parece que esquecemos como fizemos a anterior”, disse.
No que toca à parte musical, o espectáculo está longe de ser um ‘best of’ – como de resto já tinha avisado o empresário da banda Paul McGuiness – versando, sobretudo, o novo trabalho de originais do grupo ‘How To Dismantle An Atomic Bomb’ que até ao momento vendeu mais de 9 milhões de cópias.
Anteontem, em Los Angeles, os U2 abriram ao som de ‘City Of Blinding Lights’ e terminaram com ‘40’ (do álbum ‘War’) ao final de 20 músicas (ver apoio), mas tudo indica que o alinhamento possa sofrer alterações de concerto para concerto, até porque é sabido que o grupo parte para esta digressão com um número muito superior de canções em bagagem.
Durante o espectáculo de ensaio, alguns pormenores saltaram à vista das centenas de fãs que acorreram à chamada, como os momentos em que Larry assumiu as rédeas dos teclados em ‘Yahweh’, em que The Edge usou uma guitarra negra com riscas vermelhas em ‘Zoo Station’ e quando a banda interpretou ‘Where The Streets Have No Name’ tendo por pano de fundo diversas bandeiras de países africanos.
O concerto contou com duas pausas, a primeira entre os temas ‘Running To Stand Still’ e ‘Zoo Station’, durante a qual foi passado um filme sobre os direitos humanos, e a segunda entre ‘Vertigo’ e ‘Pride’. O ‘encore’ foi composto por cinco temas, entre os quais ‘All Because Of You’ e ‘One’, tendo a banda feito cair o pano ao som de ‘40’, interpretado, curiosamente, como há 20 anos com os membros do grupo a abandonar o palco um a um e Larry a encerrar o concerto com um breve solo de bateria.
ALINHAMENTO
TEMAS PROVÁVEIS
‘City Of Blinding Lights’
‘The Electric Co.’
‘An Cat Dubh’/’Into The Heart’
‘Beautiful Day’
‘Miracle Drug’
‘Sometimes You Can’t Make It On Your Own’
‘Love And Peace Or Else’
‘Elevation’
‘Stuck In A Moment You Can’t Get Out Of’
‘Yahweh’
‘Bullet The Blue Sky’
‘Running To Stand Still’
‘Zoo Station’
‘The Fly’
‘Vertigo’
‘Pride (In The Name of Love)’
‘Where The Streets Have No Name’
‘One’
‘All Because Of You’
‘40’
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)