Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

“É um milagre que ainda me convidem” (COM VÍDEO)

O actor Johnny Depp trabalha pela sétima vez com Tim Burton em ‘Alice no País das Maravilhas', onde veste a pele de ‘Chapeleiro Louco'.
2 de Março de 2010 às 22:25
É a sétima vez que o actor Johnny Depp é dirigido por Tim Burton, que admira por “fazer o que quer”
É a sétima vez que o actor Johnny Depp é dirigido por Tim Burton, que admira por “fazer o que quer” FOTO: d.r.

Do que se lembra quando leu pela primeira vez este livro do Lewis Carroll?

Lembro-me de ler uma versão condensada quando tinha cinco anos e de ver a animação da Disney. Mas talvez as personagens tenham sido o que mais me ficou na memória. Acho que isso sucede até a quem não leu o livro.

Como encarou a maior densidade interior do ‘Chapeleiro Louco'?

Procurei aproximar-me dos lados mais extremos da personalidade. Entre a fúria e o medo ou leveza. E apenas tentei encontrar esse equilíbrio.

O que acharam os seus filhos desta versão de ‘Alice'?

Por acaso, eles já viram o filme e simplesmente adoraram. E não ficaram nada assustados.

Qual é a sua receita para o sucesso?

É um milagre que ainda me convidem depois de alguns filmes que eu fiz... (risos) Nessa altura, o Tim tinha de lutar com os estúdios para me conseguir contratar, mas depois do sucesso de ‘Piratas das Caraíbas' isso passou.

Trabalha com o Tim há sete filmes. Como tem evoluído essa relação?

Conhecemo-nos há 20 anos com ‘Eduardo Mãos de Tesoura'. A minha escolha para esse filme foi uma questão de sorte. Ao longo dos anos temos desenvolvido uma certa cumplicidade. Sempre adorei a sua visão e de fazer aquilo que quer e como quer. É um dos verdadeiros autores.

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO... EM 3D

Aí está o filme mais antecipado do ano e a concretização em 3D do mundo fantástico de Lewis Carroll, devidamente filtrado pelo imaginário surreal tão caro a Tim Burton. O CM encontrou-se em Londres, no luxuoso hotel Dorchester, para a apresentação à imprensa da equipa de ‘Alice no País das Maravilhas'. Para além do realizador Tim Burton, estiveram também presentes os produtores, Richard Zanuck e Joe Roth, o compositor habitual de Burton, Danny Elfman, e ainda uma boa parte do elenco encabeçado por Johnny Depp (o Chapeleiro Louco), incluindo Mia Wasikowska (Alice), Helena Bonham Carter (Rainha de Vermelha), Anne Hathaway (Rainha Branca) e Crispin Glover (Valete de Copas). Uma coisa é certa, depois do delírio de ‘Avatar',  esta ‘Alice' em 3D promete continuar a euforia tridimensional. E tanto agradará a adultos como a todos aqueles que cresceram com o imaginário da animação da Disney, prestes a completar 60 anos em 2011.

Esta aproximação ao imaginário da animação da Disney não é inocente. Foi o próprio Tim Burton quem confirmou essa 'herança': 'Trata-se obviamente de um filme Disney', admitiu o realizador, acabando por esclarecer que o que mais o entusiasmou foi a possibilidade de 'abordar o mundo da Alice no Pais das Maravilhas num universo 3D.' Por outro lado, assumiu, 'existem mais de vinte versões e nenhuma delas me convencia verdadeiramente. '

O efeito 3D convence e promete revolucionar a forma como vemos cinema. Foi mesmo o produtor Joe Roth quem confirmou esse dado incontornável: 'Não me parece que todos os filmes em 3D vão ser um sucesso e nem todos terão de ser em 3D. Mas se o Spielberg estivesse a começar agora, talvez fizesse o ‘Tubarão' e ‘Indiana Jones' em 3D, mas talvez não ‘A Lista de Schindler' e ‘Munique'. É tudo uma questão do material, da história. '

Que o digam os filhos dos protagonistas que foram os primeiros a contactar com estes seres surreais. Helena Bonham Carter, deformada com uma cabeça enorme, no papel da hilariante e paranóica ‘Rainha Vermelha', obcecada por cortar cabeças, deu o mote: 'A minha filha (Nell) de dois anos ficou maravilhada com os ‘monstros' e está sempre a dizer que os quer ver de novo', confidenciou às gargalhadas 'Já o Billy, o mais velho, de seis, vai ver hoje o filme na antestreia, mas não respondo por ele, pois é bastante sensível.' Por fim, em tom mais sério, deixou um agradecimento ao companheiro de longa data: 'Sinto-me honrada de ele (Tim) ainda querer trabalhar comigo e de me deixar pertencer ao seu imaginário.'

MIA WASIKOWSKA

É uma das actrizes de quem se fala. Apesar de ser ainda desconhecida, não ficou nada intimidada com o papel de Alice. 'Há sempre uma certa dose de pressão quando se interpreta uma personagem tão querida de todos. Mas desde o início decidimos deixar de lado esse passado e deixar libertar essa imagem de adolescente icónica e tentar aproximá-la do público.'

DANNY ELFMAN

No 13ª filme de Tim Burton que compõe, o genial (e multipremiado) Danny Elfman explicou que já está habituado ao estilo de trabalhar do realizador: 'É uma viagem que nunca se sabe onde acabará. Nesse sentido não difere dos outros filmes. É um universo cheio de surpresas. Igualmente difícil do que era há 25 anos atrás; mas sempre reconfortante. Valeu sempre a pena.'

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)