Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

ENTRE O VELUDO E O NEGRO

Blind Zero. Ao quarto álbum, a banda do Porto assume a maturidade sem perder a motivação. “A Way To Bleed Your Lover”, confirma, e reforça, estes argumentos
25 de Maio de 2003 às 00:00
Correio da Manhã- Quatro álbuns depois como analisam o vosso percurso?
Vasco Espinheira - Tem sido coerente, pelo menos com os objectivos que traçámos. O objectivo principal, quando começámos, era o primeiro disco, mas a partir daí os objectivos foram-se alterando, mas a coerência sempre se manteve.
- Coerência na filosofia musical ou em termos de carreira?
V. E. - Mais à fisosofia de carreira, porque a musical está em constante mutação. Nunca quisemos repetir discos nem acho que seja interessante fazê-lo. Cada disco deve falar por si e ser diferente dos outros, mais não seja para que quem o compõe sinta uma dinâmica de grupo.
- Os Blind Zero surgiram na altura de um certo “boom” em termos de novas bandas, novos projectos... Hoje a situação mantém-se?
Miguel Guedes - Continuam a surgir muitas bandas, esse “boom” já não se restringe às grandes cidades, há bandas a nascer nos sítios mais recônditos. Talvez devido ao facto da informação chegar muito mais depressa, há bandas a crescer com qualidade em todo o lado. Se calhar naquela altura era uma questão de moda. Hoje é mais vulgar, não se fala tanto num “boom”, mas há grupos a quererem dizer coisas muito interessantes.
- E após este tempo o que vos faz continuar?
M. G. - Ter coisas para dizer. Enquanto sentirmos que ainda temos hipótese de transpor para a música o que somos continuaremos a ter motivação e a poder existir enquanto músicos. Quando acharmos que nos estamos a repetir ou que já nada temos de novo para contar, talvez optemos em passar para outra.
- Neste álbum, “A Way To Bleed Your Lover”, viraram-se muito para a canção e para os seus limites. Procuraram chegar à canção perfeita?
M.G. - Passe o pretensiosismo, foi sempre algo que tentámos fazer. Quem escreve canções pretende fazer a melhor, se bem que muitas vezes também se torna imperfeição e dessa imperfeição pode surgir a canção perfeita. No fundo, não há regras. Cada ambiente é um ambiente e procurámos explorá-los, de facto. Quisémos fazer um disco que tivesse uma densidade muito própria, um fio condutor de alguma intensidade dramática que, simultaneamente, conseguisse juntar isso com alguma emoção contida e também procurar o contraste entre letras mais duras e agrestes.
- Letras que parecem um pouco obcecadas, “negras”....
M.G. - Em grande parte são sobre pessoas obcecadas consigo próprias e com o seu espaço no mundo.
- É um disco obscuro?
M.G. - É um disco obscuro que, na linha dos outros, continua a ter uma temática densa, mas que assume um carácter mais “visceral” do que os restantes.
- Mas há um toque mais épico em termos de produção, não é uma coisa minimalista...
M.G. - Neste álbum, assumimos a função de fazer um ‘disco de estúdio’, mais trabalhado e requintado. Entre o ‘veludo e o negro’, mas que depois, nas letras, fosse bastante vermelho, tivesse sangue, coração, alma... Fala-se de pânico, paixão, suicídio, de personagens que sobem a telhados para ‘atirar às estrelas’. Há um certo romantismo mas também um lado muito negro.
- Foi fácil convencer o Jorge Palma a participar? Poucos sabem que ele começou a cantar em inglês...
M.G. - Foi. Fizemos um telefonema e convidámo-lo. Para nós ele é uma enorme referência, um dos melhores, senão o melhor, letrista português. O facto de cantar connosco é uma honra, até porque encarnou perfeitamente o espírito da canção.
- E o Dana Colley (ex-saxofonista dos Morphine)?
M. G. - Quando estávamos a terminar a pré-produção, ouvimos um saxofone no tema “No Way, Jose” e era o Dana! Soubémos que vinha a Portugal, enviámos-lhe um ‘e-mail’ e uma canção nossa, ele gostou e acabámos por gravar não uma mas três canções. Trouxe-nos uma carga muito positiva para o disco.
PERFIL
Os Blind Zero são Marco Nunes, Vasco Espinheira, Miguel Guedes, Nuxo Espinheira, Pedro Guedes e Miguel Ferreira (ex-Clã). Formaram-se em 1994, e no ano seguinte participaram no Festival Termómetro Unpluged, de que se sagram vencedores. Segue-se a gravação do EP ‘Recognize’ (’95) e pouco depois, gravam o primeiro álbum “Trigger” (’95). “Flexogravity” (’96), “TransRadio” (’96), “RedCoast” (’97)e “One Silent Accident” (2000) foram as edições que se seguiram. Este ano regressam com “A Way To Bleed Your Lover”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)