Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
3

Heston morre aos 84 anos

Charlton Heston morreu sábado na sua mansão de Beverly Hills, no estado da Califórnia, seis anos após ter sido revelado que sofria de Alzheimer.
7 de Abril de 2008 às 00:30
Heston morre aos 84 anos
Heston morre aos 84 anos FOTO: Handout/MGM

Hollywood perdeu uma das últimas lendas do grande ecrã, estrela de clássicos como ‘A Sede do Mal’, ‘Os Dez Mandamentos’, ‘Júlio César’, ‘El Cid’, ‘O Planeta dos Macacos’ e ‘Ben-Hur’ – este último valeu-lhe o Óscar para Melhor Actor Principal em 1959.

'Fiz papel de cardeal e de cowboy, de rei e de jogador de futebol, de presidentes e de pedinte, de louco e de burlão', disse certo dia em jeito de resumo de vida a propósito dos mais de 50 anos de representação, quase sempre colado a figuras históricas, entre elas Moisés, Miguel Ângelo, Cardeal Richelieu e Henrique VIII.

Em comunicado, a família do actor – que contava 84 anos – lembra-o de forma tão carinhosa quanto sentida:'Conhecíamos o Charles como um marido adorável, um pai extremoso, um avô gentil, com um aguçado sentido de humor. Ele vestiu estas personagens com uma fé tremenda, coragemedignidade. Amou profundamente e foi profundamente amado.'

BillPowers, porta-vozdoclã Heston, adiantou que o serviço fúnebre vai ser feito em privado, declinando no entanto qualquer comentárioemrelaçãoàefectiva causa de morte do actor. Sabe-se apenas que a mulher do maior galã dos anos 50 e 60, Lydia, esteve presente a seu lado no derradeiro adeus.

DEMOCRATA VIROU CONSERVADOR

John Charlton Carter nasceu em Evanston, Illinois, EUA, a 4 de Outubro de 1923. Amou a representação desde pequeno, paixão que o levou a inscrever-se em cursos de teatro na universidade, onde conheceu esposa, Lydia Marie Clarke, com quem teve dois filhos. Se no cinema os seus bons desempenhos geraram consenso, fora dele a história é diferente. O actor, que na década de 60 usou o protagonismo junto do grande público para defender causas relacionadas com os Direitos Humanos, acabou, vinte anos depois, por se tornar presidente da National Rifle Association, organização que tem um dos mais poderosos lóbis para a liberalização da posse de armas nos Estados Unidos.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)