Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Hollywood perde Elizabeth Taylor (COM FOTOGALERIA)

Morena de olhos azul violeta, com as sobrancelhas arqueadas e formas curvilíneas, Elizabeth Taylor enchia o grande ecrã e cortava a respiração de muitos os que a admiravam e outras tantas que a invejavam. Era assim nas décadas de ouro de 50 e 60, e foi assim, à sombra dessa imagem de gata (‘em telhado de zinco quente’, num dos seus maiores sucessos) que, ao longo da vida que ontem chegou ao fim, arrebatou corações. E somou êxitos no cinema.
24 de Março de 2011 às 00:30
Fez uma pequena participação na comédia 'Flintstones', em 1994
Actriz manteve o porte majestoso muito depois de a sua carreira entrar em colapso
Elizabeth Taylor começou a fazer filmes durante a infância e foi uma das 'Mulherzinhas' no filme de 1949
Voltou a filmar com o realizador George Stevens em 1956, sendo o objecto de desejo de James Dean em 'O Gigante'
Segundo Óscar de Melhor Actriz chegou em 1967, graças ao drama 'Quem tem Medo de Virginia Woolf?', em que Taylor e Burton interpretavam um casal de alcoólicos
Richard Burton foi o grande amor da vida da actriz. Além de contracenarem em alguns filmes, casaram-se duas vezes
Michael Jackson era um dos seus grandes amigos e a morte do cantor foi um golpe duro para a actriz
Elizabeth Taylor foi mais sensual do que era habitual em 1959 em 'Bruscamente no Verão Passado'
Foi 'Cleopatra' na longuíssima-metragem com o mesmo nome em que contracenou com o seu conturbado amor Richard Burton
'Gata em Telhado de Zinco Quente' foi o filme em que era a mulher do impotente Paul Newman. A sua interpretação fez jus ao título da obra
Afastou-se do cinema, mas foi recompensada pela Academia de Hollywood com o prémio Jean Hersholt em 1993, devido às iniciativas a favor das vítimas de sida
A judia 'Rebecca' em 'Ivanhoe' só contribuiu para torná-la uma das mulheres mais desejadas do Mundo
Larry Fortensky (à esquerda) foi o sétimo e último marido da actriz americano-britânica
Papel de prostituta em 'Butterfield 8' valeu-lhe o primeiro Óscar de Melhor Actriz em 1961
Rosto de Elizabeth Taylor foi imortalizado numa célebre pintura assinado por Andy Warhol em 1963
Ao lado de Montgomery Cliff, foi em 1951 a 'menina bem' de 'Um Lugar ao Sol'
Fez uma pequena participação na comédia 'Flintstones', em 1994
Actriz manteve o porte majestoso muito depois de a sua carreira entrar em colapso
Elizabeth Taylor começou a fazer filmes durante a infância e foi uma das 'Mulherzinhas' no filme de 1949
Voltou a filmar com o realizador George Stevens em 1956, sendo o objecto de desejo de James Dean em 'O Gigante'
Segundo Óscar de Melhor Actriz chegou em 1967, graças ao drama 'Quem tem Medo de Virginia Woolf?', em que Taylor e Burton interpretavam um casal de alcoólicos
Richard Burton foi o grande amor da vida da actriz. Além de contracenarem em alguns filmes, casaram-se duas vezes
Michael Jackson era um dos seus grandes amigos e a morte do cantor foi um golpe duro para a actriz
Elizabeth Taylor foi mais sensual do que era habitual em 1959 em 'Bruscamente no Verão Passado'
Foi 'Cleopatra' na longuíssima-metragem com o mesmo nome em que contracenou com o seu conturbado amor Richard Burton
'Gata em Telhado de Zinco Quente' foi o filme em que era a mulher do impotente Paul Newman. A sua interpretação fez jus ao título da obra
Afastou-se do cinema, mas foi recompensada pela Academia de Hollywood com o prémio Jean Hersholt em 1993, devido às iniciativas a favor das vítimas de sida
A judia 'Rebecca' em 'Ivanhoe' só contribuiu para torná-la uma das mulheres mais desejadas do Mundo
Larry Fortensky (à esquerda) foi o sétimo e último marido da actriz americano-britânica
Papel de prostituta em 'Butterfield 8' valeu-lhe o primeiro Óscar de Melhor Actriz em 1961
Rosto de Elizabeth Taylor foi imortalizado numa célebre pintura assinado por Andy Warhol em 1963
Ao lado de Montgomery Cliff, foi em 1951 a 'menina bem' de 'Um Lugar ao Sol'
Fez uma pequena participação na comédia 'Flintstones', em 1994
Actriz manteve o porte majestoso muito depois de a sua carreira entrar em colapso
Elizabeth Taylor começou a fazer filmes durante a infância e foi uma das 'Mulherzinhas' no filme de 1949
Voltou a filmar com o realizador George Stevens em 1956, sendo o objecto de desejo de James Dean em 'O Gigante'
Segundo Óscar de Melhor Actriz chegou em 1967, graças ao drama 'Quem tem Medo de Virginia Woolf?', em que Taylor e Burton interpretavam um casal de alcoólicos
Richard Burton foi o grande amor da vida da actriz. Além de contracenarem em alguns filmes, casaram-se duas vezes
Michael Jackson era um dos seus grandes amigos e a morte do cantor foi um golpe duro para a actriz
Elizabeth Taylor foi mais sensual do que era habitual em 1959 em 'Bruscamente no Verão Passado'
Foi 'Cleopatra' na longuíssima-metragem com o mesmo nome em que contracenou com o seu conturbado amor Richard Burton
'Gata em Telhado de Zinco Quente' foi o filme em que era a mulher do impotente Paul Newman. A sua interpretação fez jus ao título da obra
Afastou-se do cinema, mas foi recompensada pela Academia de Hollywood com o prémio Jean Hersholt em 1993, devido às iniciativas a favor das vítimas de sida
A judia 'Rebecca' em 'Ivanhoe' só contribuiu para torná-la uma das mulheres mais desejadas do Mundo
Larry Fortensky (à esquerda) foi o sétimo e último marido da actriz americano-britânica
Papel de prostituta em 'Butterfield 8' valeu-lhe o primeiro Óscar de Melhor Actriz em 1961
Rosto de Elizabeth Taylor foi imortalizado numa célebre pintura assinado por Andy Warhol em 1963
Ao lado de Montgomery Cliff, foi em 1951 a 'menina bem' de 'Um Lugar ao Sol'

A americano-britânica (nasceu em Londres), por muitos considerada a maior lenda de Hollywood, morreu aos 79 anos, no Hospital Sinai-Cedars, em Los Angeles (EUA), onde estava internada há dois meses, na sequência de uma grave insuficiência cardíaca. A actriz de ‘Quem tem Medo de Virginia Woolf’ e ‘Butterfield 8’, filmes que lhe valeram dois Óscares (além de outro, de cariz humanitário), já fora submetida a uma cirurgia ao coração em 2009 e há cinco anos que se deslocava em cadeira de rodas.

Activista reconhecida na luta contra a sida, morreu junto aos filhos, Michael e Christopher Wilding e Maria Burton. "A minha mãe foi uma mulher extraordinária que viveu a vida de uma forma plena, com muita paixão, humor e amor", disse Michael, em comunicado. "Apesar de ser uma perda devastadora para todos nós, seremos sempre inspirados por ela para contribuirmos para um mundo melhor. O seu legado nunca esmorecerá."

A família informou ainda que o funeral será privado e deve ocorrer no final desta semana.

UM AMOR EM DOSE DUPLA

Elizabeth Taylor foi também muitas vezes notícia pela sua vida pessoal. Casou oito vezes, duas das quais com Richard Burton. O actor levou-a ao altar em dose dupla e várias vezes dividiu consigo o plateau de grandes clássicos de Hollywood (ver Filmografia). ‘Liz’ e Burton casaram-se em 1963, durante ‘Cleópatra’, e divorciaram-se em 1974. Voltaram a dar o nó um ano depois, para se separarem em 1976.

Outros homens da sua vida foram Conrad Hilton Jr. (o tio-avô de Paris Hilton) e Larry Fortensky, o último marido, de quem se divorciou em 1996. Nascida em Hampstead, subúrbio londrino, a 27 de Fevereiro de 1932, filha de um casal norte-americano, viveu nos EUA desde os sete anos, começando a carreira pouco depois. Ainda assim, em 2000, recebeu o título de dama do Império Britânico.

ELIZABETH TAYLOR CINEMA MORTE ESTRELA HOLLYWOOD
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)