Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

Humor negro em Nova Iorque com produção portuguesa

Joana Vicente produz esta trama de gangsters e ladrões protagonizada por Ethan Hawke
21 de Janeiro de 2010 às 17:36
O cartaz do filme
O cartaz do filme FOTO: D.R.

Bizarro, sinistro mas absorvente. Assim é este ‘Não Há Crimes Perfeitos’, estreia do argumentista James DeMonaco na realização.

Numa encruzilhada mórbida, DeMonaco desenlaça uma teia de equívocos numa trama sarcástica que tem a morte como pano de fundo.

Produzida pela portuguesa Joana Vicente, reputada produtora independente em Nova Iorque já há mais de uma década, esta é a história de três residentes de Staten island, em Nova Iorque, que se cruzam por meros acasos e coincidências que poderão ser fatais a qualquer um deles.

Um trio inusitado que acaba por sucumbir à ironia da ganância, já que cada um, à sua maneira, sonha em grande e é mitómano na ambição. Um gangster (Vincent D’Onofrio) que quer o monopólio da droga da ilha e acaba a salvar árvores da floresta em risco de extinção; um limpador de fossas assépticas (Ethan Hawke) que “descobre o mundo da ciência e do crime” ao roubar o gangster para poder recorrer à modificação genética embrionária, para que o seu filho por nascer possa vir a ser um génio; e um talhante surdo “e as suas silenciosas aventuras a cortar e retalha”...corpos.

Moral da história? Ladrão que rouba ladrão nem sempre consegue 100 anos de perdão... E outras mais.

O dinheiro tudo muda, menos a sede de vingança...incontrolável. Humor negro com produção portuguesa (e co-produção de Luc Besson) num filme independente para ver nos cinemas, em estreia, esta quinta-feira.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)