Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Justiça investiga venda do Pavilhão Atlântico a genro de Cavaco Silva

Suspeitas de favorecimento a Luís Montez com o conluio de Ricardo Salgado e Zeinal Bava.
Sónia Dias 16 de Fevereiro de 2019 às 01:30
Luís Montez
Altice Arena
Luís Montez
O empresário Luís Montez é o proprietário da RNL.Música
Luís Montez
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Zeinal Bava
Zeinal Bava
Zeinal Bava era o presidente da PT
Luís Montez
Altice Arena
Luís Montez
O empresário Luís Montez é o proprietário da RNL.Música
Luís Montez
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Zeinal Bava
Zeinal Bava
Zeinal Bava era o presidente da PT
Luís Montez
Altice Arena
Luís Montez
O empresário Luís Montez é o proprietário da RNL.Música
Luís Montez
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Ricardo Salgado
Zeinal Bava
Zeinal Bava
Zeinal Bava era o presidente da PT
O negócio da venda do Pavilhão Atlântico (PA), em Lisboa, a Luís Montez, dono da Música no Coração e genro de Cavaco Silva, está a ser investigado pela Justiça por suspeitas de favorecimento.

O equipamento, que custou ao Estado cerca de 50 milhões de euros, foi vendido ao consórcio Arena Atlântico por 21,2 milhões em 2012. O governo PSD-CDS optou por negociação particular em vez de concurso público, num processo quase secreto.

De acordo com uma reportagem da TVI, a direção do PA fazia parte do consórcio de Montez, mas isso só foi revelado aos outros dois concorrentes - o grupo de Álvaro Covões, dono da Everything is New, e a AEG - quando saiu a decisão de venda.

Durante o concurso, a equipa manteve-se em funções e reuniu com os concorrentes sem lhes revelar que estava na corrida.

A investigação revela ainda que Montez conseguiu dinheiro para o negócio através do BES de Ricardo Salgado: o fundo de capital de risco emprestou 19 milhões de euros e entrou como acionista da Arena Atlântico, que gere o PA. Além disso, o banqueiro convenceu Zeinal Bava a pagar 11 milhões de euros para que aquele passasse a chamar-se MEO Arena. Uma operação cujos pormenores foram revelados pelas escutas telefónicas registadas no Processo Marquês.

O CM tentou contactar Luís Montez, mas este não se mostrou disponível. À TVI, porém, o empresário disse que nunca deu instruções direta ou indiretamente a Ricardo Salgado. Já a Procuradoria-Geral da República adiantou que a investigação que está a decorrer "não tem arguidos constituídos e está sujeita ao segredo de justiça".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)