Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
9

Lady Di era ‘ninfo’ e Camões dançava o tango

Era para ser uma ‘sitcom’ mas acabou por estrear como peça de teatro: ‘A Casa da Fama ‘, espectáculo que João Baião está a apresentar no Teatro Armando Cortez, em Carnide, é uma divertida sátira aos ‘reality shows’ e é, para o próprio, “aquilo de que todos os portugueses precisam neste momento”. Ou seja, gargalhada durante hora e meia.
28 de Abril de 2011 às 00:37
Mané Ribeiro e João Baião numa cena de 'A Casa da Fama'. Ela é Lady Di, ele Luís Vaz de Camões
Mané Ribeiro e João Baião numa cena de 'A Casa da Fama'. Ela é Lady Di, ele Luís Vaz de Camões FOTO: João Miguel Rodrigues

Em palco Mané Ribeiro é uma Lady Di ‘loura burra’ e ninfomaníaca, Ana Brito e Cunha é uma Padeira de Aljubarrota lésbica assanhada e João Baião um Luís Vaz de Camões fã Beyoncé e de salsa.

 

São os finalistas de um suposto ‘reality show’ em que famosos de todas as eras – desde Afonso Henriques a Maria Callas, de Bocage a Saddam Hussein – lutam pelos votos do público numa casa fechada, à moda do badalado ‘Big Brother’.

 

João Baião diz que o projecto era antigo e que corresponde exactamente à ideia que faz de teatro.

 

“É assim que concebo o teatro: nada me dá mais prazer do que uma sala cheia de gente a divertir-se”, diz ele, que para além de dar corpo a várias personalidades históricas, é também a ‘apresentadora’ de serviço – com os inevitáveis cabeleira farta, vestido vermelho colante e voz estridente.

 

O espectáculo, que usa recursos cénicos mais ou menos sofisticados – exige aos actores que contracenem consigo mesmos em vídeo – tem ainda uma forte componente musical, com letras de canções conhecidas a serem cantadas em ritmos inesperados.

 

Escrito por Frederico Pombares, Henrique Dias e Roberto Pereira – das Produções Fictícias – mas com ‘um dedinho’ do próprio João Baião, o espectáculo consegue ter mais piadas do que aquelas que o espectador é capaz de apreender e vai surpreender na caracterização muito bem conseguida das personagens – sobretudo no caso de Mané Ribeiro, uma Lady Di perfeita.

Com cenografia e figurinos de Marta Carreiras e direcção musical de Viagens a Marte, ‘A Casa da Fama’ tem ainda vídeo de Neon Media e desenho de luz de Paulo Sabino.

Ver de quinta a domingo.

Cultura Teatro João Baião 'A Casa da Fama' Ana Brito e Cunha Mané Ribeiro Teatro Armando Cortez
Ver comentários