Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Lily Allen triunfa no adeus (COM VÍDEOS)

Foi a rainha do último dia do Sudoeste. Lily Allen encantou a multidão, pois nenhum sucesso foi esquecido. A moldura humana foi até maior do que o esperado no dia da despedida, em que muitos se fizeram à estrada ainda antes do cair da noite de domingo. Bonita, sensual, atrevida e de cigarro em punho, Allen subiu aos píncaros do festival quando mandou toda a plateia sorrir com ‘Smile’ e entoar bem alto ‘The Fear’. Tempo ainda para esticar o dedo do meio e dizer ‘F... You’ aos racistas e homofóbicos. Cantou ainda (e melhor) uma versão de ‘Womanizer’, de Britney Spears.
11 de Agosto de 2009 às 00:30
Lily Allen dominou noite encerrada pelos Basement Jaxx
Lily Allen dominou noite encerrada pelos Basement Jaxx FOTO: Luíd Guerreiro
Entre os presentes notava-se uma pequena legião de britânicos, porventura devido não só à presença de Lily Allen mas também de Amy McDonald. A escocesa, num registo mais folk, também passou em revista os temas do seu ‘This is The Life’ e fez uma cover de ‘Mr. Brightside’, dos Killers. Aliás, raras foram as bandas que não tocaram versões de outros artistas. Moda?

O brasileiro Marcelo D2 e o português Gomo, a quem coube abrir o Palco TMN, foram outros bons espectáculos da noite. No Palco Planeta Sudoeste, destaque aos alentejanos Virgem Suta, às nova-iorquinas Au Revoir Simone e aos franceses Caravan Palace. A festa terminou de madrugada, com Basement Jaxx a obrigar a queimar os últimos cartuchos na gigantesca pista de dança do Sudoeste.

Segundo a organização, houve 170 mil entradas no festival – 35 mil por dia –, com a noite de sábado a ser a mais concorrida, com mais de 45 mil pessoas. Para o ano a música regressa à Herdade da Casa Branca na primeira semana de Agosto.

'VIM A 12 EDIÇÕES DO SUDOESTE': Paulo Gouveia (Gomo), Músico

Correio da Manhã – O que vieram mostrar ao Sudoeste?

Gomo – Foi uma oportunidade excelente para mostrar o novo trabalho, o ‘Nosy’, que é muito fresco e está agora a chegar às pessoas. Este festival é uma grande montra.

– O concerto teve mais de ‘Nosy’ ou de ‘Best Of’ [primeiro disco]?

– Foi um ‘best of’ do ‘Nosy’. Tivemos temas do álbum anterior mas, obviamente, debruçámo-nos sobre o ‘Nosy’, que para nós é maravilhoso.

– Chegou ao festival de autocarro e trouxe uns amigos. Porquê?

– Não consigo ir sozinho mostrar a minha música. Encontrei este ‘tour bus’, e tem sido inacreditável.

– Tem espírito festivaleiro?

– Tenho. Vou a todos os festivais que posso. Em 13 edições de Sudoeste vim a 12. Ainda me lembro da primeira. O palco era ao contrário e vi Marilyn Manson.

MAIS

TRIUNFO NACIONAL

Deolinda, Mariza e Buraka Som Sistema provam que já não há preconceito em ter artistas portugueses em destaque.

ROCK MOBILIZOU

Só o rock teve o poder de mobilizar multidões. O género com público mais fiel meteu, só numa noite, 45 mil pessoas no recinto.

MENOS

PALCOS BARULHENTOS

O palco Planeta Sudoeste perdeu com os decibéis do Groovebox. O português The Legendary Tiger Man desistiu de cantar.

CERVEJA DE LUXO

A cerveja é muito cara (dois euros por um copo de 25 cl.). Ainda assim bebeu-se 90 mil litros.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)