Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

Maria Gadú põe CCB ao rubro

A cantora e compositora paulistana Maria Gadú (carioca por adopção e coração) é conhecida em Portugal, basicamente, por um grande sucesso incluído na 'trilha sonora' de uma telenovela da TV Globo: 'Shimbaliê'.
12 de Março de 2011 às 14:17
Espectáculo, em que, sobretudo, os muitos brasileiros na plateia, trautearam a maioria das canções, começou com 'Encontro'
Espectáculo, em que, sobretudo, os muitos brasileiros na plateia, trautearam a maioria das canções, começou com 'Encontro' FOTO: d.r.

Anunciando-se a sua presença em Lisboa, na noite de sexta-feira no Centro Cultural de Belém, para um concerto “intimista”, a verdade é que o evento se traduziu numa experiência de pura felicidade, para intérprete e espectadores.

Balizada pela simplicidade – alguns dos 20 temas foram acompanhados apenas com um violão – as expectativas foram amplamente superadas.

A jovem, que parece ter menos que 24 anos (qual criança esfusiante fazendo repetidamente acenos à plateia e deixando transparecer uma incontida alegria e agradecimento por cantar longe de casa e ser recebida por gente “tão queridinha”), apresentou-se vestida de rapazinho com camisa e jeans, ténis nos pés e boné na cabeça, com um ar tão andrógino quanto doce.

Há quem lhe chame a nova Cássia Eller – a roqueira que, inesperadamente, desapareceu em 2001 – o que não é, de todo, inusitado. Porém, quando canta em inglês, Maria quase nos lembra uma espécie de Tracy Chapman na melhor tradição da MPB (Música Popular Brasileira).

A sua voz, encorpada e quente, é menos meiga que a genuinidade e generosidade com que se apresenta, e, apesar de alguns laivos de gravidade, não é confundível com um timbre masculino.

O espectáculo, em que, sobretudo, os muitos brasileiros na plateia, trautearam a maioria das canções, começou com 'Encontro', seguindo-se dois grandes êxitos, o acima citado 'Shimbaliê' e 'Bela Flor'.

Prosseguiu com outras canções do seu reportório nas quais se incluíram 'A História de Lily Braun' e 'Podres Poderes', duas “homenagens” respectivamente a Chico Buarque e Caetano Veloso.

Deu, depois, uma ternurenta interpretação do clássico 'Trem das Onze' e cantou 'Who Knew', roubado a Pink, que deu a entender ser o epílogo do show.

De volta ao palco ainda ofereceu cinco encores – nos quais se ouviu um 'gauche' 'Ne me Quittes Pas' de Jacques Brel, com uma batida algo precipitada - e, em repetição, o doce 'Shimbaliê', cantado em uníssono por toda a sala.

Com muitas palmas e gritos se despediram a cantora e os cinco músicos - sóbrios mas muito eficazes, atrás de Gadú, revelando-se os cúmplices perfeitos para ajudar a dar relevo e colorido à voz e viola – deixando atrás de si um palco vazio e uma belíssima imagem daquela que, em Portugal, ainda está com uma carreira em fase de arranque.

maria gadú brasil mpb ccb ne me quittes pas shimbaliê
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)