Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Mértola foi uma porta do comércio romano

Capitéis do século I e IV e colunas mostram monumentalidade da vila alentejana.
Pedro Galego 30 de Julho de 2018 às 01:30
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Descobertas arqueológicas em Mértola
Foram recentemente descobertos em Mértola novos achados arqueológicos que comprovam a importância da vila como uma das portas do comércio para o interior da Península Ibérica, no período do Império Romano.

Um capitel datável entre os séculos I e II, colunas e um outro capitel do séc. IV, que estavam junto a um dos dois batistérios das primeiras comunidades cristãs, deixam os investigadores com mais certezas.

"A dimensão escultórica destas descobertas, em conjunto com as últimos achados também deste período - estátuas romanas de grandes dimensões - confirmam a importância de Mértola como uma das portas de entrada para o comércio do interior da Península e justifica esta monumentalidade que só agora estamos a descobrir", afirma o arqueólogo Virgílio Lopes.

Estas peças foram descobertas na última campanha de escavações na encosta do castelo. Uma espécie de presente de aniversário para o Campo Arqueológico de Mértola, que comemora 40 anos de existência em 2018.

Maria de Fátima Palma, a arqueóloga responsável por estes últimos trabalhos, destaca "o voluntariado como parte fundamental do sucesso das várias campanhas em Mértola, numa altura que o financiamento público para a arqueologia é insuficiente".

"Esta associação é um exemplo da resiliência que tem trazido resultados para o conhecimento científico e histórico sobre a importância da vila de Mértola", conclui.
Ver comentários