Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Moonspell no Capitólio em ambiente gótico

Concerto lisboeta integrou digressão europeia de 50 datas que só termina em Munique a 15 de dezembro
Pedro Rodrigues Santos 7 de Novembro de 2019 às 15:54
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio
Moonspell no Capitólio

Fortes, feios… e infernais! Não poderia ter corrido melhor a noite aos Moonspell neste regresso a Lisboa. No centro da atuação esteve ‘1755’, o álbum conceptual editado há dois anos sobre o terramoto que arrasou a capital portuguesa há 254 anos.

Esta terça-feira, no Cine-Teatro Capitólio, o grupo liderado por Fernando Ribeiro justificou plenamente porque se mantém como o projecto português mais internacional das últimas décadas, depois de no dia anterior terem tocado no Hard Club do Porto.

Se dúvidas houvesse, bastava atentar nas mais de 50 datas que compreende a digressão europeia iniciada a 24 de outubro na Alemanha – Lisboa e Porto incluídos - e que só termina naquele mesmo país, em Munique, a 15 de dezembro.

Com o concerto dedicado a ‘1755’, nada melhor do que "atirar" ao público as primeiras quatro canções que abrem o disco – ‘Em Nome do Medo’, ‘1755’, ‘In Tremor Dei’ e Desastre’ – , para então convidarem a sala a cantar o ‘clássico’ ‘Opium’.

Este sucesso releva que continuam a ser os temas dos dois primeiros álbuns da carreira da banda – ‘Wolfheart’ e ‘Irreligious’ – a "segurarem" o alinhamento desta digressão, ao lado de ‘1755’.

Seguros e emotivos junto de um público que já conhece de cor os registos em questão, os Moonspell souberam criar o ambiente gótico em que se movem.

Se a meio do concerto o bulício entre o público tinha acalmado, voltou a aquecer já na parte final com os irrecusáveis ‘Mephisto’ e ‘Vampiria’, rematado pelo hino ‘Alma Mater’. O merecido ‘encore’, encerrado com ‘Full Moon Madness’, fechou uma atuação irrepreensível.

Num dia dedicado aos sons mais poderosos do rock, foram os suíços Silver Dust a abrirem a noite com o seu ‘gothic metal’, para depois os gregos Rotting Christ mostrarem porque razão continuam a granjear fãs por onde quer que passem, como sucedeu em Lisboa.

Moonspell Capitólio Lisboa espectáculo música
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)