Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
8

Morreu a acordeonista Eugénia Lima

O velório de Eugénia Lima realiza-se no sábado, na capela mortuária de Rio Maior, onde, no domingo, será rezada missa de corpo presente, seguindo-se o funeral.
5 de Abril de 2014 às 11:16
O velório de Eugénia Lima realiza-se no sábado, na capela mortuária de Rio Maior, onde, no domingo, será rezada missa de corpo presente, seguindo-se o funeral.

A acordeonista Eugénia Lima, de 88 anos, morreu esta sexta-feira ao final da tarde, na sua residência, em Rio Maior, disse à Lusa fonte próxima da família.

Eugénia Lima, filha de um afinador de acordeões, estreou-se aos quatro anos no Cinema-Teatro Vaz Preto, em Castelo Branco. Profissionalmente, a sua estreia data de 1935, no Teatro Variedades, em Lisboa, no elenco da revista "Peixe-Espada".

Em 1947 venceu o concurso de acordeonistas da Emissora Nacional e, em 1956, fundou a Orquestra Típica Albicastrense.

Em setembro de 1986, foi condecorada pelo Ministério da Cultura com a medalha de Mérito Cultural. Ao longo da carreira somou vários prémios e condecorações, designadamente o Óscar da Imprensa, em 1962, o grau de Dama da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada, em 1980, e o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, em 1995.

O nome da albicastrense figura no Dicionário Mundial de Mulheres Notáveis.

“EUGÉNIA LIMA É A AMÁLIA RODRIGUES DO ACORDEÃO”

Francisco Sabóia, diretor da Casa Museu do Acordeão, em Paderne, no Algarve, partilhou o palco e vários outros momentos com Eugénia Lima, que recorda com bastante emoção. “Foi o máximo do nosso País no que toca a tocar acordeão, uma figura ímpar apesar de não ter vencido nenhum prémio Mundial. É a Amália Rodrigues do acordeão”, explicou Francisco Sabóia ao Correio da Manhã.

Na XXIII Grande Gala Internacional do Acordeão, organizada por Francisco Sabóia, Eugénia Lima foi homenageada, na sexta-feira, com um minuto de silêncio. “Os músicos deixaram de tocar o que tinham programado e tocaram apenas músicas da autoria dela”, contou o diretor da Casa Museu do Acordeão.

Para domingo, o último dia da XXIII Grande Gala Internacional do Acordeão, Francisco Sabóia tem planeada a continuação de uma grande homenagem à acordeonista, onde será tocada a sua música ‘Minha vida meu sonho’.


Rio Maior Eugénia Lima Castelo Branco albicastrense acordeonista acordeões morreu funeral velório
Ver comentários